Menu

Nova fase da Lava Jato prende funcionários de banco

Operação é desdobramento da operação “Câmbio, Desligo” do ano passado

  • Repórter
  • Data de publicação:
Banners
Créditos: Tomaz Silva/Agência Brasi

A Polícia Federal cumpre nesta terça-feira (28) uma nova fase da operação Lava Jato. O alvo da vez são dois funcionários do banco Bradesco e um doleiro, suspeitos de participarem do esquema de lavagem de dinheiro descoberta na Operação Câmbio, Desligo realizada no ano passado.

Os mandados de prisão e busca e apreensão foram expedidos pelo juiz Marcelo Bretas, titular da 7ª Vara Criminal do Rio de Janeiro, a pedido do Ministério Público Federal. Um dos alvos da operação já foi encontrado e preso. Trata-se de uma funcionária do Bradesco, Tânia Maria Aragão de Souza.

Segundo as investigações da PF, o esquema envolvendo os funcionários do banco pode ter lavado mais de R$ 986 milhões de reais. Além de Tânia, a operação ainda busca por Júlio Cesar Pinto de Andrade e Robson Luiz Cunha Silva. Tânia foi presa em casa e levada para a sede da Polícia Federal no Rio de Janeiro
O Bradesco, através de uma nota, que tomou conhecimento das ações da PF envolvendo funcionários através da imprensa e destacou que cumpre com as regras de ética e governança de maneira rigorosa.

A Operação Câmbio, desligo prendeu na ocasião 30 pessoas em quatro estados diferentes. A acusação era de que mais de US$ 1,5 bilhões foram movimentados em paraísos fiscais de 52 país, por mais de 3 mil empresas offshore. A ação ocorreu graças a delação do doleiro Vinícius Barreto Calret, que apontou para Sérgio Cabral, ex-governador do Rio de Janeiro, como chefe do esquema. Na ocasião da operação, cerca de 62 pessoas foram denunciadas por fazerem parte do esquema desde a década de 90, cometendo os crimes de lavagem de dinheiro e evasão de divisas;.

Raphael Costa

O repórter Raphael Costa formou-se em 2015 no Centro Universitário de Brasília (CEUB), mas deu início à sua carreira anteriormente. Originalmente paulista, começou em um programa de Rádio e TV local, até se mudar para Brasília. Com cerca de três anos de casa, é a voz que noticia esportes, agricultura e economia.


Cadastre-se

A Polícia Federal cumpre nesta terça-feira (28) uma nova fase da operação Lava Jato. O alvo da vez são dois funcionários do banco Bradesco e um doleiro, suspeitos de participarem do esquema de lavagem de dinheiro descoberta na Operação Câmbio, Desligo realizada no ano passado.

Os mandados de prisão e busca e apreensão foram expedidos pelo juiz Marcelo Bretas, titular da 7ª Vara Criminal do Rio de Janeiro, a pedido do Ministério Público Federal. Um dos alvos da operação já foi encontrado e preso. Trata-se de uma funcionária do Bradesco, Tânia Maria Aragão de Souza.

Segundo as investigações da PF, o esquema envolvendo os funcionários do banco pode ter lavado mais de R$ 986 milhões de reais. Além de Tânia, a operação ainda busca por Júlio Cesar Pinto de Andrade e Robson Luiz Cunha Silva. Tânia foi presa em casa e levada para a sede da Polícia Federal no Rio de Janeiro
O Bradesco, através de uma nota, que tomou conhecimento das ações da PF envolvendo funcionários através da imprensa e destacou que cumpre com as regras de ética e governança de maneira rigorosa.

A Operação Câmbio, desligo prendeu na ocasião 30 pessoas em quatro estados diferentes. A acusação era de que mais de US$ 1,5 bilhões foram movimentados em paraísos fiscais de 52 país, por mais de 3 mil empresas offshore. A ação ocorreu graças a delação do doleiro Vinícius Barreto Calret, que apontou para Sérgio Cabral, ex-governador do Rio de Janeiro, como chefe do esquema. Na ocasião da operação, cerca de 62 pessoas foram denunciadas por fazerem parte do esquema desde a década de 90, cometendo os crimes de lavagem de dinheiro e evasão de divisas;.

Reportagem, Raphael Costa