Menu

Nova Lei de Licitações pode ir para votação no Plenário da Câmara nas próximas semanas

Proposta cria novo marco legal para as licitações; objetivo é desburocratizar e trazer mais eficiência às normas na hora de contratar obras, serviços ou fazer compras

  • Repórter
  • Data de publicação:
Banners
Foto: Câmara dos Deputados

Após ser debatida no Plenário da Câmara dos Deputados, a Nova Lei de Licitações pode ir à votação nas próximas semanas. Neste mês, os parlamentares discutiram o projeto, mas foram apresentados emendas e destaques à proposta. O relator, deputado Augusto Coutinho (SD-PE), afirmou que está analisando as sugestões para que PL possa ser votado o quanto antes.

Se aprovado, o projeto unificará normas em vigor e revogará a atual Lei de Licitações e Contratos, além da Lei do Pregão e o Regime Diferenciado de Contratações, conhecido como RDC. O objetivo é desburocratizar e trazer mais eficiência às normas desse tipo de processo no país. A Constituição Federal obriga o poder público a fazer licitação quando precisa contratar obras, serviços ou fazer compras. Segundo o advogado e professor Murilo Jacoby, a alteração prevista na nova lei de Licitações traz mais segurança jurídica.

“Hoje, o gestor público tem a loucura de conhecer três leis, cinco decretos, dezenas de instruções normativas, centenas de jurisprudências de decisões especiais que dificultam o gestor público de saber o que é certo na hora de licitar”, aponta Jacoby.

A proposta vale para a administração direta e indireta da União, como ministérios e autarquias, estados e municípios. Também será aplicada para aquisições feitas pelos poderes Legislativo e Judiciário, fundos especiais e outras entidades controladas pela administração pública, como Banco do Brasil e Banco Central.

As licitações são realizadas para regular a transferência e a posse de bens como compras, locações, concessões e permissões de uso de bens públicos, prestação de serviços, aquisição, além de obras e serviços ligados à engenharia.

O relator da proposta, deputado Augusto Coutinho (SD-PE), considera a modernização da Lei de Licitações é uma medida que pode diminuir o número de obras paralisadas.

“É um avanço importante para o país. A gente precisa atualizar o formato de licitação e eu acho que é um grande avanço que o Parlamento fará para o Brasil se oferecer novas alternativas de licitações, para que a gente agilize e tente diminuir o número enorme de obras que você tem hoje paralisadas”, disse.

Pregão

O projeto sugere que a modalidade de pregão, por exemplo, não se aplique às contratações de serviços técnicos especializados, como de engenharia e obras de grande porte. Nesse modelo de licitação, a escolha da empresa a ser contratada é feita com base apenas no menor preço apresentado. Algumas dessas companhias, no entanto, poderiam propor um valor que não seria suficiente para a conclusão de uma obra, e por esse motivo, a sugestão é que, nesses casos, sejam avaliados o menor preço, mas também a qualidade do serviço – a disputa é feita por lances sucessivos, em sessão presencial ou eletrônica.

O texto da Câmara determina ainda a criação do Portal Nacional de Contratações Públicas, que reunirá todas as licitações e contratações feitas pela União, estados, Distrito Federal e municípios. Esse site oficial é uma forma de centralizar as informações sobre licitações e adota mecanismo que podem frear obras inacabadas, como a determinação de contas vinculadas aos empreendimentos, a redução do prazo para o pagamento dos prestadores de serviços e o estabelecimento de que as obras sejam pagas por critérios cronológicos para evitar eventuais preferências. 

Para o deputado federal Vermelho (PSD-PR), o uso dessa tecnologia é imprescindível para que haja transparência e eficácia comprovada na realização de licitações.

“Hoje, a modernidade exige que a Lei de Licitações também se atualize. Não é mais possível as prefeituras, para se comprar um parafuso, no significado da palavra, tenham que fazer um processo burocrático. Então, hoje já abre o pregão, abre o leilão. É mais simples”, avalia ele.

Uma comissão especial da Câmara dos Deputados aprovou um substitutivo para o texto em dezembro de 2018. Em março deste ano, os deputados aprovaram a urgência de tramitação da proposta. Após ser debatido pelos parlamentares, o próximo passo é a votação em Plenário. Se for aprovado pelos deputados, o projeto volta para análise no Senado. Caso não haja novas alterações, o novo marco legal segue para sanção presidencial.

Paulo Henrique

Formado em Jornalismo e com Pós-Graduação em Gestão da Comunicação nas Organizações, possui experiência em redações e assessorias, atuou como estagiário na Secretaria de Saúde do Distrito Federal, no Portal R7 e na ASCOM da Câmara dos Deputados. Depois de formado, foi Assessor de Comunicação do Instituto de Migrações e Direitos Humanos e atualmente é repórter na Agência do Rádio.


Cadastre-se

Para iniciar qualquer obra ou compra de equipamentos, a administração pública precisa abrir um processo de licitação, o que é exigido pela Constituição. Tido como sinônimo de burocracia e lentidão, o modelo em vigência pode ser alterado com o novo marco legal, que pode ser votado no Plenário da Câmara dos Deputados.  

Neste mês, os parlamentares discutiram o projeto, mas foram apresentados emendas e destaques à proposta. O relator, deputado Augusto Coutinho (SD-PE), afirmou que está analisando as sugestões para que projeto de lei possa ser votado o quanto antes.

Se aprovado, o projeto unifica normas vigentes e revoga a atual Lei de Licitações e Contratos, além da Lei do Pregão e o Regime Diferenciado de Contratações, conhecido como RDC. O objetivo é desburocratizar e trazer mais eficiência às normas desse tipo de processo no país. Segundo o advogado e professor Murilo Jacoby, a alteração prevista na nova lei de Licitações traz mais segurança jurídica.

“Hoje, o gestor público tem a loucura de conhecer três leis, cinco decretos, dezenas de instruções normativas, centenas de jurisprudências de decisões especiais que dificultam o gestor público de saber o que é certo na hora de licitar.”

O texto da Câmara determina ainda a criação do Portal Nacional de Contratações Públicas, que reunirá todas as licitações e contratações feitas pela União, estados, Distrito Federal e municípios. Para o deputado federal Vermelho (PSD-PR), o uso dessa tecnologia é imprescindível para que haja transparência e eficácia comprovada na realização de licitações.

“Hoje, a modernidade exige que a Lei de Licitações também se atualize. Não é mais possível as prefeituras, para se comprar um parafuso tenham que fazer um processo burocrático. Então, hoje, já abre o pregão, abre o leilão. É mais simples”.

O projeto sugere ainda que a modalidade de pregão, por exemplo, não se aplique às contratações de serviços técnicos especializados, como de engenharia e obras de grande porte. Nesse modelo de licitação, a escolha da empresa a ser contratada é feita com base apenas no menor preço apresentado. 

Uma comissão especial da Câmara dos Deputados aprovou um substitutivo para o texto em dezembro do ano passado. Em março deste ano, os deputados aprovaram a urgência na tramitação da proposta. Após ser debatido pelos parlamentares, o próximo passo é a votação em Plenário. Se for aprovado pelos deputados, o projeto volta para análise no Senado. Caso não haja novas alterações, o novo marco legal segue para sanção presidencial.

Reportagem, Paulo Henrique Gomes