Menu

Operação da Lava-Jato investiga ex-presidente da Petrobras e sócio do banco BTG Pactual

PF investiga crimes de organização criminosa, corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro, após delação do ex-ministro Antonio Palocci

  • Repórter
  • Data de publicação:
Banners
Créditos: Tomaz Silva/Agência Brasi

Na manhã desta sexta-feira (23), a Polícia Federal deflagrou a 64ª fase da Lava Jato e cumpriu mandados de busca e apreensão em São Paulo e no Rio de Janeiro. Entre os alvos da operação, estão a ex-presidente da Petrobras Graça Foster e o fundador e sócio do BTG Pactual, André Esteves.

O objetivo da operação, segundo a PF, é investigar os crimes de organização criminosa, corrupção ativa e passiva e lavagem de capitais ligados aos recursos contabilizados em uma planilha batizada de “Programa Especial Italiano”, administrada pela construtora Odebrecht. As investigações tiveram início após a delação premiada do ex-ministro Antonio Palocci.

A PF estima que os prejuízos causados pelas práticas criminosas do grupo chegam a R$ 6 bilhões. Ao todo, 80 policiais cumpriram 12 mandados, com autorização da 13ª Vara Federal de Curitiba, no Paraná.

Raphael Costa

O repórter Raphael Costa formou-se em 2015 no Centro Universitário de Brasília (CEUB), mas deu início à sua carreira anteriormente. Originalmente paulista, começou em um programa de Rádio e TV local, até se mudar para Brasília. Com cerca de três anos de casa, é a voz que noticia esportes, agricultura e economia.


Cadastre-se

Na manhã desta sexta-feira (23), a Polícia Federal deflagrou a 64ª fase da Lava Jato e cumpriu mandados de busca e apreensão em São Paulo e no Rio de Janeiro. Entre os alvos da operação, estão a ex-presidente da Petrobras Graça Foster e o fundador e sócio do BTG Pactual, André Esteves.

O objetivo da operação, segundo a PF, é investigar os crimes de organização criminosa, corrupção ativa e passiva e lavagem de capitais ligados aos recursos contabilizados em uma planilha batizada de “Programa Especial Italiano”, administrada pela construtora Odebrecht. As investigações tiveram início após a delação premiada do ex-ministro Antonio Palocci.

A PF estima que os prejuízos causados pelas práticas criminosas do grupo chegam a R$ 6 bilhões. Ao todo, 80 policiais cumpriram 12 mandados, com autorização da 13ª Vara Federal de Curitiba, no Paraná.

Reportagem, Raphael Costa