Menu

Paralisação geral na Argentina provoca cancelamento de voos no Brasil

Cerca de 45 mil passageiros, entre eles brasileiros, foram afetados pela greve

  • Repórter
  • Data de publicação:
Banners

A quinta paralisação geral no governo Macri, na Argentina, causou transtornos em voos entre o país e o Brasil. As companhias aéreas Latam e Aerolíneas Argentinas cancelaram todos os voos previstos para esta quarta-feira. Ao todo, 417 voos foram cancelados e 45 mil pessoas foram prejudicadas.

A greve é liderada pela Confederação Geral do Trabalho e mais 70 sindicatos argentinos. Além da paralisação no tráfego aéreo, os serviços que também estão parados são: ônibus, trens, metrô, bancos, hospitais, escolas, coleta de lixo, lojas, restaurantes e bares.

Entre os motivos da reivindicação dos trabalhadores, estão a reposição salarial, o aumento no salário mínimo, além de reclamações contra a política econômica do governo, principalmente contra a inflação, que nos últimos doze meses, acumulou em 50%.

De acordo com os sindicalistas, essa será a última greve deste governo. As eleições acontecerão no dia 27 de outubro deste ano. Mauricio Macri, atual presidente, concorrerá ao cargo novamente.

As eleições primárias para anunciar os candidatos serão no dia 11 de agosto, mas, à princípio, Macri disputará com a chapa de Alberto Fernandez à presidência acompanhado de Cristina Kirchner como vice.

Sara Rodrigues

Sara iniciou a carreira jornalística como estagiária da Agência do Rádio, em 2014. Foi repórter da UnBTV durante 1 ano e 6 meses e retornou para a redação da ARB como repórter. É responsável pela coluna Diversão em Pauta, e cobre Política Internacional.


Cadastre-se

LOC.: A quinta paralisação geral no governo Macri, na Argentina, causou transtornos em voos entre o país e o Brasil. As companhias aéreas Latam e Aerolíneas Argentinas cancelaram todos os voos previstos para esta quarta-feira. Ao todo, 417 voos foram cancelados e 45 mil pessoas foram prejudicadas.

A greve é liderada pela Confederação Geral do Trabalho e mais 70 sindicatos argentinos. Além da paralisação no tráfego aéreo, os serviços que também estão parados são: ônibus, trens, metrô, bancos, hospitais, escolas, coleta de lixo, lojas, restaurantes e bares.

Entre os motivos da reivindicação dos trabalhadores, estão a reposição salarial, o aumento no salário mínimo, além de reclamações contra a política econômica do governo, principalmente contra a inflação, que nos últimos doze meses, acumulou em 50%.

De acordo com os sindicalistas, essa será a última greve deste governo. As eleições acontecerão no dia 27 de outubro deste ano. Mauricio Macri, atual presidente, concorrerá ao cargo novamente.

As eleições primárias para anunciar os candidatos serão no dia 11 de agosto, mas, à princípio, Macri disputará com a chapa de Alberto Fernandez à presidência acompanhado de Cristina Kirchner como vice.

Reportagem, Sara Rodrigues