Menu

PARANÁ: A amamentação é a forma mais eficaz na redução da mortalidade infantil

A amamentação reduz em 13% a mortalidade infantil em crianças menores de cinco anos

Banners
Arte: Ítalo Novais

A primeira semana do mês de agosto é dedicada a promover ações que mostrem a importância do leite materno para a saúde da mãe e do bebê. É por isso que a Semana Mundial da Amamentação 2019 pretende sensibilizar as famílias e toda a sociedade para a necessidade de um ambiente favorável à prática do aleitamento materno. No Brasil, as gestantes, mães e bebês contam com a assistência de 228 salas de apoio à amamentação e 317 hospitais Amigos da Criança. No Paraná, são dezesseis salas de suporte às mulheres. 

Arte: Ítalo Novais

A enfermeira do Complexo Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná, Janaina Mara de Almeida, lembra que o leite materno tem um papel fundamental na vida dos bebês.  “Tem vários benefícios! Um deles é em relação a diminuição dos riscos de desenvolver diabetes, diminui o risco de pressão alta no futuro. Um outro benefício muito importante do leite materno é a diminuição do risco de hipercolesterolemia, que é o chamado colesterol alto. Podemos citar a questão de evitar mortes, evitar diarreias, ajuda muito a desenvolver a cavidade oral do bebê, ajuda a evitar infecções respiratórias e alergias”, explica.

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a amamentação reduz em 13% a mortalidade infantil em crianças menores de cinco anos. Além disso, pode diminuir os riscos do surgimento de uma série de doenças na vida adulta. 

Janaina Mara de Almeida lembra que os nutrientes do leite, oferecido pela mãe, são essenciais para a saúde e desenvolvimento das crianças. Dessa forma, a especialista explica que a ideia de “leite fraco” não passa de um mito. “Isso é um mito que precisamos desconstruir. A gente precisa desmistificar isso, não existe leite fraco. O leite da mãe é totalmente adequado para as necessidades do bebê”, avalia a especialista.

 Um estudo publicado em 2016 pela revista The Lancet mostrou que, 823 mil mortes de crianças e de 20 mil de mães poderiam ser evitadas em 75 países de baixa e média renda a cada ano com a ampliação da amamentação. Por isso, é importante que a amamentação seja até os dois anos ou mais, sendo de forma exclusiva até os seis meses de vida da criança. 

Amanda Lopes, moradora de Curitiba, sabe da necessidade do leite materno e sempre teve o sonho de amamentar. Mãe de dois filhos, a servidora pública conta que seu filho João, de quatro anos e meio, mamou até pouco tempo, e a pequena Maria, de 10 meses, continua recebendo o seu leite. Durante todo esse tempo, o apoio do marido foi fundamental. Por isso, ela reconhece que é necessária uma rede de apoio às mães.“A gente que amamenta precisa de um apoio, de uma pessoa que arrume a casa, fazer alguma coisa que a gente deixa de lado por estar cuidando da criança. Então, é fundamental ter amiga, mãe, sogra, um profissional de saúde ou o próprio marido”, afirma.

 Em Curitiba, o Banco de Leite Humano do Hospital de Clínicas fica na Rua General Carneiro, número 181. Para tirar dúvidas, basta ligar para (41) 3360-1867.

A amamentação é a forma de proteção mais econômica e eficaz para redução da mortalidade infantil. Por isso, incentive todas as mulheres que você conhece a amamentarem seus filhos.  Amamentação. Incentive a família, alimente a vida. Para mais informações, acesse saude.gov.br/. 

Agência do Rádio



Cadastre-se

LOC.: A primeira semana do mês de agosto é dedicada a promover ações que mostrem a importância do leite materno para a saúde da mãe e do bebê. É por isso que a Semana Mundial da Amamentação 2019 pretende sensibilizar as famílias e toda a sociedade para a necessidade de um ambiente favorável à prática do aleitamento materno. No Brasil, as gestantes, mães e bebês contam com a assistência de 228 salas de apoio à amamentação e 317 hospitais Amigos da Criança. No Paraná, são sete salas de suporte às mulheres. 

A enfermeira do Complexo Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná, Janaina Mara de Almeida, lembra que o leite materno tem um papel fundamental na vida dos bebês. 

TEC./SONORA: Janaina Mara de Almeida, enfermeira

“Tem vários benefícios! Um deles é em relação a diminuição dos riscos de desenvolver diabetes, diminui o risco de pressão alta no futuro. Um outro benefício muito importante do leite materno é a diminuição do risco de hipercolesterolemia, que é o chamado colesterol alto. Podemos citar a questão de evitar mortes, evitar diarreias, ajuda muito a desenvolver a cavidade oral do bebê, ajuda a evitar infecções respiratórias e alergias”.
 

LOC.: De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a amamentação reduz em 13% a mortalidade infantil em crianças menores de cinco anos. Além disso, pode diminuir os riscos do surgimento de uma série de doenças na vida adulta. 

Janina Mara de Almeida lembra que os nutrientes do leite, oferecido pela mãe, são essenciais para a saúde e desenvolvimento das crianças. Dessa forma, a especialista explica que a ideia de “leite fraco” não passa de um mito.
 

TEC./SONORA: Janaina Mara de Almeida, enfermeira

Isso é um mito que precisamos desconstruir. A gente precisa desmistificar isso, não existe leite fraco. O leite da mãe é totalmente adequado para as necessidades do bebê”.

LOC.: Um estudo publicado em 2016 pela revista The Lancet mostrou que, 823 mil mortes de crianças e de 20 mil de mães poderiam ser evitadas em 75 países de baixa e média renda a cada ano com a ampliação da amamentação. Por isso, é importante que a amamentação seja até os dois anos ou mais, sendo de forma exclusiva até os seis meses de vida da criança. 

Amanda Lopes, moradora de Curitiba, sabe da necessidade do leite materno e sempre teve o sonho de amamentar. Mãe de dois filhos, a servidora pública conta que seu filho João, de quatro anos e meio, mamou até pouco tempo, e a pequena Maria, de 10 meses, continua recebendo o seu leite. Durante todo esse tempo, o apoio do marido foi fundamental. Por isso, ela reconhece que é necessária uma rede de apoio às mães.
 

TEC./SONORA: Amanda Lopes, servidora pública.

“A gente que amamenta precisa de um apoio, de uma pessoa que arrume a casa, fazer alguma coisa que a gente deixa de lado por estar cuidando da criança. Então, é fundamental ter amiga, mãe, sogra, um profissional de saúde ou o próprio marido”.
 

LOC.: Em Curitiba, o Banco de Leite Humano do Hospital de Clínicas fica na Rua General Carneiro, número 181. Para tirar dúvidas, basta ligar para (41) 3360-1867.

A amamentação é a forma de proteção mais econômica e eficaz para redução da mortalidade infantil. Por isso, incentive todas as mulheres que você conhece a amamentarem seus filhos.  Amamentação. Incentive a família, alimente a vida. Para mais informações, acesse saude.gov.br/. Ministério da Saúde. Governo Federal. Pátria Amada Brasil.