Menu

Estudante do SESI conquista medalha de bronze em Olimpíada Brasileira de Biologia

A aluna passou na primeira fase com os conhecimentos das aulas; já para a segunda, estudou por três semanas

  • Repórter
  • Data de publicação:
Banners

O interesse da estudante Sabrina Barros, 17 anos, pela biologia começou no primeiro ano do ensino médio, em 2017, na escola SESI Cabo de Santo Agostinho. A vontade de conhecer diferentes áreas dentro das ciências da natureza levou a adolescente a conquistar, no mês passado, medalha de bronze na Olimpíada Brasileira de Biologia – ela competiu com 8.203 estudantes de escolas públicas e privadas de todo o país.

Em fevereiro, Sabrina foi pega de surpresa pela professora, que avisou dois dias antes que havia inscrito todos os alunos na competição. Ela não teve tempo de estudar para a prova objetiva. Mesmo assim, respondeu as 30 questões e avançou para a próxima fase.

A estudante, que prefere os temas de citologia e virologia, conta que o ritmo para a segunda fase já foi mais empolgante. “Eu peguei provas anteriores, tirei dúvida com a professora para me preparar para a prova. É uma coisa que eu amo estudar, eu adoro a matéria. Eu estava em casa estudando para isso”, revelou.

A professora de biologia Ana Isabele Freitas, logo no início, percebeu as habilidades de Sabrina para a área de ciências da natureza, e decidiu investir no futuro da aluna. Para ela, o formato das aulas ajudou muito na hora de ensinar e levar os estudantes a aprender o conteúdo.

“Procurei utilizar metodologias mais ativas, de modo que eles pudessem participar mais dos temas de biologia. Eles trabalharam com debates, com matérias de jornais e revistas falando sobre ciência do Brasil”, explica.

O SESI em Pernambuco é conhecido por instruir os alunos para a indústria do futuro e tem se consolidado no estado como referência pelo modelo de educação inovadora. Esse modelo de educação estimula o desenvolvimento da criatividade, comunicação, adaptação e resolução de problemas.

Em todo o Brasil, as escolas SESI foram responsáveis por 1,1 milhão de matrículas em educação básica, continuada e ações educativa em 2018. São 501 escolas e 553 unidades móveis que visitam comunidades e empresas com serviços de saúde e segurança, além da aplicação de vacinas.

As escolas SESI fazem parte do Sistema S, conjunto de instituições de categoria profissional, assim como SENAI, que capacita e presta assistência para quem trabalha ou que quer se qualificar para a indústria. 

Sara Rodrigues

Sara iniciou a carreira jornalística como estagiária da Agência do Rádio, em 2014. Foi repórter da UnBTV durante 1 ano e 6 meses e retornou para a redação da ARB como repórter. É responsável pela coluna Diversão em Pauta, e cobre Política Internacional.


Cadastre-se

LOC.: Aos 17 anos, no terceiro ano do ensino médio, Sabrina Barros já tem história para contar. Aluna da escola SESI Cabo de Santo Agostinho, a jovem conquistou, no mês passado, medalha de bronze na Olimpíada Brasileira de Biologia, em que competiu com 8.203 estudantes de escolas públicas e privadas de todo o país.

Sabrina, que sempre demonstrou talento na área de ciências da natureza, foi pega de surpresa pela professora, que avisou dois dias antes que havia inscrito todos os alunos na competição. Mesmo sem tempo de estudar para a prova, a estudante conseguiu passar para a próxima fase e conta que a professora foi importante para chegar à fase decisiva.

TEC./SONORA: Sabrina Barros, 17 anos, estudante.

“Eu peguei provas anteriores, tirei dúvida com a professora para me preparar para a prova. É uma coisa que eu amo estudar, eu adoro a matéria. Eu estava em casa estudando para isso.”

LOC.: Quando Sabrina entrou no ensino médio, a professora de biologia Ana Isabele Freitas logo percebeu o talento da garota. Aos poucos, passou a investir no futuro dela, emprestando livros e indicando artigos para que a jovem ampliasse o conhecimento.

Além disso, Ana Isabele explica que já estava preparando os alunos para, na hora certa, inscrevê-los na Olimpíada Brasileira de Biologia.

TEC./SONORA: Ana Isabele Freitas, 30 anos, professora de biologia.

“Procurei utilizar metodologias mais ativas, de modo que eles pudessem participar mais dos temas de biologia do que assistir a aula propriamente dita. Eles trabalharam com debates, com matérias de jornais e revistas falando sobre ciência do Brasil. Sempre que tinha novidades, trazia de modo que eles pudessem debater e a gente trabalhar os conceitos da biologia integrados a essa realidade.”

LOC.: O SESI em Pernambuco é conhecido por instruir os alunos para a indústria do futuro, e tem se consolidado no estado como referência pelo modelo de educação inovadora, que estimula o desenvolvimento da criatividade, comunicação, adaptação e resolução de problemas.

No país, as escolas SESI foram responsáveis por 1,1 milhão de matrículas em educação básica, continuada e ações educativa em 2018. São 501 escolas e 553 unidades móveis que visitam comunidades e empresas com serviços de saúde e segurança, além da aplicação de vacinas.

Reportagem, Sara Rodrigues