Menu

Ministério da Saúde envia 1,7 milhão de doses da vacina pentavalente para os estados

Imunização garante a proteção contra cinco doenças

Banners

Todos os estados brasileiros recebem, a partir desta quinta-feira, doses da vacina pentavalente. Ao todo, são enviados 1,7 milhão de doses dessa vacina, que garante a proteção contra 5 doenças: difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e a bactéria haemophilus influenza tipo b (responsável por infecções no nariz e garganta). A pentavalente é distribuída pelo Ministério da Saúde e é adquirida pelo Fundo Estratégico da Organização Pan-Americana da Saúde, a OPAS. Isso porque não existe laboratório produtor no Brasil. Entre junho e dezembro de 2019, o envio desta vacina esteve irregular por causa de problemas com o fornecedor. Lotes do laboratório pré-qualificado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) foram reprovados no teste de qualidade do Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS) e análise da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Em agosto do ano passado, o Ministério da Saúde solicitou reposição do produto, mas, naquele momento, não havia disponibilidade imediata no mundo. Esse quantitativo enviado aos estados inicia o restabelecimento do quantitativo enviado mensalmente pelo Ministério das Saúde aos estados do país, como explica o ministro interino da Saúde, João Gabbardo.

Janary Bastos Damacena



Cadastre-se

Todos os estados brasileiros recebem, a partir desta quinta-feira, doses da vacina pentavalente. Ao todo, são enviados 1,7 milhão de doses dessa vacina, que garante a proteção contra 5 doenças: difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e a bactéria haemophilus influenza tipo b (responsável por infecções no nariz e garganta). A pentavalente é distribuída pelo Ministério da Saúde e é adquirida pelo Fundo Estratégico da Organização Pan-Americana da Saúde, a OPAS. Isso porque não existe laboratório produtor no Brasil. Entre junho e dezembro de 2019, o envio desta vacina esteve irregular por causa de problemas com o fornecedor. Lotes do laboratório pré-qualificado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) foram reprovados no teste de qualidade do Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS) e análise da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Em agosto do ano passado, o Ministério da Saúde solicitou reposição do produto, mas, naquele momento, não havia disponibilidade imediata no mundo. Esse quantitativo enviado aos estados inicia o restabelecimento do quantitativo enviado mensalmente pelo Ministério das Saúde aos estados do país, como explica o ministro interino da Saúde, João Gabbardo.

“A partir de hoje, os estados já começam a receber 1,7 milhões de doses de vacina. Em alguns dias, todos os municípios do Brasil terão nas suas unidades, nos seus postos de saúde, o restabelecimento da vacina pentavalente.”

A vacina pentavalente é aplicada já na chamada Primeira Infância, aos 2, 4 e 6 meses de idade. Daí a importância dessa proteção, como enfatiza Gabbardo.

“É importante porque começa já aos 2 meses de idade, a proteção dessas crianças para cinco doenças: difteria, tétano, coqueluche, hepatite b e haemophilus B (influenza). Então, isso dá uma segurança muito importante para a saúde das crianças”.

O Ministério da Saúde orienta que os municípios regularizem a caderneta de vacinação das crianças assim que os estoques estiverem regularizados.