Menu

PEQUI (MG): Com índice alto de infestação de mosquito, Pequi pode sofrer novo surto de Dengue, Zika e Chikungunya

Banners

Além do impacto de devastação e degradação ambiental, os efeitos da tragédia de Brumadinho atingem também cidades próximas. Umas delas é Pequi, onde houve a contaminação da principal fonte de água da região: o rio Paraopeba.

De acordo com o último Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti, o LIRAa, divulgado pela secretaria de Saúde em janeiro, o índice de infestação do mosquito transmissor da Dengue, Zika e Chikungunya chegou a 10,6%, o que já significava um alerta de epidemia antes mesmo do rompimento da barragem. 

Agora, a situação pode ficar ainda mais grave, por conta justamente da contaminação do rio Paraopeba. Sem acesso a água potável, os moradores de Pequi e municípios próximos começaram a fazer o armazenamento em condições que são consideradas ideais para a proliferação do mosquito transmissor. Quem faz o alerta é a diretora de Vigilância Epidemiológica de Minas Gerais, Janaína Fonseca.

“Há uma preocupação muito grande pelo fato da água do rio Paraopeba estar inutilizada para qualquer ação, mesmo que seja regar plantas, a preocupação é de que a população esteja armazenando água. E ao armazenar água, pode ser gerado um foco de proliferação do mosquito. Então, elas estão sendo orientadas a não fazerem o abastecimento de água. Soluções de abastecimento de água já foram disponibilizados para estes municípios. Existem outros meios de abastecimento, que não só o Paraopeba, então não há necessidade da população armazenar água neste momento.”

Segundo a Secretaria de Saúde de Minas Gerais, Pequi e outros 17 municípios são considerados prioritários no combate ao mosquito. Por isso, a diretora de Vigilância Epidemiológica do Estado, Janaína Fonseca, faz um apelo aos moradores da região.

“É muito importante que a população de Pequi tome alguns cuidados, sempre tampando as caixas, não deixando a água exposta ao ar livre, né? Então, a gente tem que, se armazenar por algum motivo, que mantenha os recipientes adequadamente tampados.”

O mosquito transmissor da Dengue, Zika e Chikungunya vive dentro de casa, tem hábitos diurnos e ataca, em geral, ao amanhecer e ao entardecer. Os moradores precisam prestar atenção, pois os sintomas das três doenças podem ser bem parecidos. Febres, dores de cabeça e nas articulações estão entre os mais comuns. Em caso de suspeita, o paciente deve procurar o posto de saúde mais próximo, o quanto antes. Para mais informações, acesse saude.gov.br/combateaedes.


Comente...

Cadastre-se

Além do impacto de devastação e degradação ambiental, os efeitos da tragédia de Brumadinho atingem também cidades próximas. Umas delas é Pequi, onde houve a contaminação da principal fonte de água da região: o rio Paraopeba.

De acordo com o último Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti, o LIRAa, divulgado pela secretaria de Saúde em janeiro, o índice de infestação do mosquito transmissor da Dengue, Zika e Chikungunya chegou a 10,6%, o que já significava um alerta de epidemia antes mesmo do rompimento da barragem. 

Agora, a situação pode ficar ainda mais grave, por conta justamente da contaminação do rio Paraopeba. Sem acesso a água potável, os moradores de Pequi e municípios próximos começaram a fazer o armazenamento em condições que são consideradas ideais para a proliferação do mosquito transmissor. Quem faz o alerta é a diretora de Vigilância Epidemiológica de Minas Gerais, Janaína Fonseca.
 

“Há uma preocupação muito grande pelo fato da água do rio Paraopeba estar inutilizada para qualquer ação, mesmo que seja regar plantas, a preocupação é de que a população esteja armazenando água. E ao armazenar água, pode ser gerado um foco de proliferação do mosquito. Então, elas estão sendo orientadas a não fazerem o abastecimento de água. Soluções de abastecimento de água já foram disponibilizados para estes municípios. Existem outros meios de abastecimento, que não só o Paraopeba, então não há necessidade da população armazenar água neste momento.”

Segundo a Secretaria de Saúde de Minas Gerais, Pequi e outros 17 municípios são considerados prioritários no combate ao mosquito. Por isso, a diretora de Vigilância Epidemiológica do Estado, Janaína Fonseca, faz um apelo aos moradores da região.

“É muito importante que a população de Pequi tome alguns cuidados, sempre tampando as caixas, não deixando a água exposta ao ar livre, né? Então, a gente tem que, se armazenar por algum motivo, que mantenha os recipientes adequadamente tampados.”

O mosquito transmissor da Dengue, Zika e Chikungunya vive dentro de casa, tem hábitos diurnos e ataca, em geral, ao amanhecer e ao entardecer. Os moradores precisam prestar atenção, pois os sintomas das três doenças podem ser bem parecidos. Febres, dores de cabeça e nas articulações estão entre os mais comuns. Em caso de suspeita, o paciente deve procurar o posto de saúde mais próximo, o quanto antes. Para mais informações, acesse saude.gov.br/combateaedes