Menu

PIAUÍ: Leite coletado consegue atender apenas 40% dos bebês internados

Desde janeiro até o momento, foram coletados 521 litros do alimento para 515 receptores

Banners

A advogada Ivanna Camile, de 33 anos, já está ficando experiente quando o assunto é doação de leite materno. Há dois anos e sete meses, a moradora de Teresina teve o primeiro filho, Fausto Neto, e ela decidiu logo de cara que gostaria de compartilhar o primeiro alimento da vida com outras crianças. 

Há nove meses, a advogada trouxe ao mundo o Guilherme e não precisou pensar muito para saber que gostaria de continuar fazendo essa boa ação. Ivanna Camile entrou em contato com o Banco de Leite Humano da Maternidade Dona Evangelina Rosa, se informou sobre os pré-requisitos e solicitou o material para coletar o seu leite. Ela sabe que este leite materno doado ajuda a salvar vidas. 

“Para mim, é relativamente fácil tirar esse leite, porque eu considero desperdício cada gota que eu não consiga armazenar para doar para as crianças que precisam.”

Mesmo com a doação de 615 mães cadastradas no Piauí, o leite materno coletado consegue atender apenas 40% dos bebês internados na UTI neonatal. Desde janeiro até o momento, foram coletados 521 litros do alimento para 515 receptores. 

A coordenadora do Banco de Leite Humano da Maternidade Dona Evangelina Rosa, Vanessa Paz, lembra que esse leite materno doado é essencial para o crescimento da criança, principalmente de prematuros e bebês de baixo peso. Ela explica que, por esse motivo, a mãe doadora também precisa seguir algumas regras. 

“É aquela mulher que está amamentando seu bebê, está saudável, com condição de saúde que permita que ela compartilhe o seu leite com outros. Não pode estar tomando medicação que contraindique a amamentação. Ela percebendo que, após amamentar, ela ainda tem leite, ela consegue sim entrar em contato com o banco, fazer sua doação livre e regular de acordo com a sua necessidade e com o conforto que ela pode dar para a mama.”

Gabriel e Hadayssa são irmãos gêmeos prematuros que, por conta de complicações na gravidez turbulenta da mamãe, precisaram receber doações. Aos 28 anos, a dona de casa Crislândia Ferreira conta que tem muita gratidão e reconhece a importância do alimento para os filhos. 

“A gente sabe que tem muitas crianças que precisam disso, do leite materno. Às vezes quando a mãe não pode dar de mamar, ou não pode doar, eles recebem aquele leite com muito amor, mesmo não sabendo de quem é o leite.”

No Piauí, estão disponíveis três postos de coleta de leite humano na capital: na Maternidade do Buenos Aires, na Maternidade Wall Ferraz e na Maternidade Dona Evangelina Rosa, que é onde fica localizado o Banco de Leite  Humano referência em aleitamento materno no estado. 

Para se tornar doadora, basta ligar no telefone 0800 280 2522. Repetindo: 0800 280 2522. Neste número, a mãe interessada terá todas as informações e será cadastrada para receber um material de coleta em casa. Profissionais da saúde ensinam como deve ser feita a coleta, e depois de um tempo passam para buscar o leite materno doado. 

Doe leite materno, alimente a vida. Para mais informações, acesse saude.gov.br.

Agência do Rádio



Cadastre-se

LOC.: A advogada Ivanna Camile, de 33 anos, já está ficando experiente quando o assunto é doação de leite materno. Há dois anos e sete meses, a moradora de Teresina teve o primeiro filho, Fausto Neto, e ela decidiu logo de cara que gostaria de compartilhar o primeiro alimento da vida com outras crianças. 

Há nove meses, a advogada trouxe ao mundo o Guilherme e não precisou pensar muito para saber que gostaria de continuar fazendo essa boa ação. Ivanna Camile entrou em contato com o Banco de Leite Humano da Maternidade Dona Evangelina Rosa, se informou sobre os pré-requisitos e solicitou o material para coletar o seu leite. Ela sabe que este leite materno doado ajuda a salvar vidas. 

TEC./SONORA: Ivanna Camile, 33 anos, advogada. 

“Para mim, é relativamente fácil tirar esse leite, porque eu considero desperdício cada gota que eu não consiga armazenar para doar para as crianças que precisam.”
 

LOC.: Mesmo com a doação de 615 mães cadastradas no Piauí, o leite materno coletado consegue atender apenas 40% dos bebês internados na UTI neonatal. Desde janeiro até o momento, foram coletados 521 litros do alimento para 515 receptores. 

A coordenadora do Banco de Leite Humano da Maternidade Dona Evangelina Rosa, Vanessa Paz, lembra que esse leite materno doado é essencial para o crescimento da criança, principalmente de prematuros e bebês de baixo peso. Ela explica que, por esse motivo, a mãe doadora também precisa seguir algumas regras. 
 

TEC./SONORA: Vanessa Paz, coordenadora do Banco de Leite Maternidade Dona Evangelina Rosa 

“É aquela mulher que está amamentando seu bebê, está saudável, com condição de saúde que permita que ela compartilhe o seu leite com outros. Não pode estar tomando medicação que contraindique a amamentação. Ela percebendo que, após amamentar, ela ainda tem leite, ela consegue sim entrar em contato com o banco, fazer sua doação livre e regular de acordo com a sua necessidade e com o conforto que ela pode dar para a mama.”
 

LOC.: Gabriel e Hadayssa são irmãos gêmeos prematuros que, por conta de complicações na gravidez turbulenta da mamãe, precisaram receber doações. Aos 28 anos, a dona de casa Crislândia Ferreira conta que tem muita gratidão e reconhece a importância do alimento para os filhos. 

TEC./SONORA: Crislândia Ferreira, 28 anos, dona de casa. 

“A gente sabe que tem muitas crianças que precisam disso, do leite materno. Às vezes quando a mãe não pode dar de mamar, ou não pode doar, eles recebem aquele leite com muito amor, mesmo não sabendo de quem é o leite.”
 

LOC.: No Piauí, estão disponíveis três postos de coleta de leite humano na capital: na Maternidade do Buenos Aires, na Maternidade Wall Ferraz e na Maternidade Dona Evangelina Rosa, que é onde fica localizado o Banco de Leite  Humano referência em aleitamento materno no estado. 

Para se tornar doadora, basta ligar no telefone 0800 280 2522. Repetindo: 0800 280 2522. Neste número, a mãe interessada terá todas as informações e será cadastrada para receber um material de coleta em casa. Profissionais da saúde ensinam como deve ser feita a coleta, e depois de um tempo passam para buscar o leite materno doado. 

Doe leite materno, alimente a vida. Para mais informações, acesse saude.gov.br.