Menu

Carnaval 2019 é marcado por iniciativas contra assédio e preconceito

Carnaval desse ano será o primeiro desde que entrou em vigor a Lei tipifica como crime a importunação sexual

Banners
Reprodução: Ítalo Novais

Neste ano de 2019, várias repartições do poder público, governos estaduais, prefeituras e até mesmo organizações de blocos carnavalescos levantaram a bandeira da luta contra o assédio sexual.

O Carnaval desse ano será o primeiro desde que entrou em vigor a Lei tipifica como crime a importunação sexual. A partir de agora quem assediar qualquer pessoa poderá ser preso e terá de cumprir pena de um a cinco anos, caso seja condenado.

A brasiliense Ninny Magalhães, de 34 anos, comera a nova legislação. Segundo ela, no Carnaval este tipo de crime se torna mais frequente.

“A partir do momento que a mulher sabe que tem esse direito, e que o ‘cara’ vai responder criminalmente por uma atitude ridícula dessa, ela não precisa mais ser xingada, ela só precisa se afastar e chamar um policial. O carnaval é composto em volta disso “Se tá aqui tá querendo”. Eu acho que uma campanha assim, ela tira um pouco da obrigatoriedade de que a mulher, por estar no carnaval, tem que ficar com o cara ou corresponder a uma investida", comentou.

No carnaval de Vitória, no Espirito Santo, os blocos de rua estarão com vários cartazes com frases contra o assédio. Em Recife (PE), a Polícia Militar conta com câmeras, intituladas de “sentinela” que estarão ligadas 24h por dia. Em Brasília, a Polícia Civil distribuirá mais de 5.000 apitos com o objetivo de alertar algum tipo de assédio. Em Salvador (BA) o tema do carnaval é “Meu corpo não é sua fantasia”.

Caso você sofra algum tipo de violação da liberdade ou dignidade sexual, busque ajuda, entre em contato com a polícia, acione o 190.

 

Isabella França

Isabella descobriu ainda na faculdade seu talento para locução. Com a ajuda de uma professora aprimorou suas técnicas e hoje tem uma das vozes mais marcantes da Agência do Rádio. Amante das pautas mais distantes de seu cotidiano, Isa gosta de se desafiar enquanto finaliza seu curso de jornalismo.


Conteúdos relacionados

Cadastre-se

Neste ano de 2019, várias repartições do poder público, governos estaduais, prefeituras e até mesmo organizações de blocos carnavalescos levantaram a bandeira da luta contra o assédio sexual.

O Carnaval desse ano será o primeiro desde que entrou em vigor a Lei tipifica como crime a importunação sexual. A partir de agora quem assediar qualquer pessoa poderá ser preso e terá de cumprir pena de um a cinco anos, caso seja condenado.

A brasiliense Ninny Magalhães, de 34 anos, comera a nova legislação. Segundo ela, no Carnaval este tipo de crime se torna mais frequente.

“A partir do momento que a mulher sabe que tem esse direito, e que o ‘cara’ vai responder criminalmente por uma atitude ridícula dessa, ela não precisa mais ser xingada, ela só precisa se afastar e chamar um policial. O carnaval é composto em volta disso “Se tá aqui tá querendo”. Eu acho que uma campanha assim, ela tira um pouco da obrigatoriedade de que a mulher, por estar no carnaval, tem que ficar com o cara ou corresponder a uma investida, sabe.”

No carnaval de Vitória, no Espirito Santo, os blocos de rua estarão com vários cartazes com frases contra o assédio. Em Recife (PE), a Polícia Militar conta com câmeras, intituladas de “sentinela” que estarão ligadas 24h por dia. Em Brasília, a Polícia Civil distribuirá mais de 5.000 apitos com o objetivo de alertar algum tipo de assédio. Em Salvador (BA) o tema do carnaval é “Meu corpo não é sua fantasia”.

Caso você sofra algum tipo de violação da liberdade ou dignidade sexual, busque ajuda, entre em contato com a polícia, acione o 190.

Reportagem, Isabella França