Menu

Inflação no Brasil registra alta de 0,43% em fevereiro, diz IBGE

Educação e alimentos são os setores com maiores altas no mês. Para 2019, o objetivo é que o indicador atinja uma taxa menor que 4,25%

  • Repórter
  • Data de publicação:
Banners
Para 2019, o objetivo é que o indicador atinja uma taxa menor que 4,25% / Foto: Agência Brasil

Por Pedro Marra

A inflação no Brasil teve alta de 0,43% em fevereiro deste ano. A informação é do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que divulgou os dados nesta terça-feira (12). O aumento se deve, principalmente, aos preços aplicados na educação e nos alimentos.

O setor de educação apresentou alta de 0,17 ponto percentual no índice geral da inflação de fevereiro. Os alimentos também tiveram forte influência, com 0,19 ponto percentual sobre o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Considerando a inflação oficial do país, o IPCA ficou acima dos 0,32% de janeiro. O resultado também teve a maior variação mensal desde outubro de 2018, quando o registro foi de 0,45%. Já o índice acumulado no ano foi para 0,75%.

O IBGE esclarece que os custos com educação têm influência nos reajustes do começo do ano letivo, graças ao aumento médio de 4,58% na mensalidade de cursos regulares. 

Em relação ao setor alimentício, os maiores aumentos são nos preços do feijão-carioca, com mais de 51%, batata-inglesa, com mais de 25%, e hortaliças, com mais de 12%. No entanto, houve queda em alguns produtos, como carne, arroz, frango inteiro e tomate, que tiveram variação negativa de 1%.

Vale lembrar que em 2018, a inflação oficial fechou em 3,75%, ficando abaixo da meta estipulada pelo governo, que era de 4,5%. Para 2019, o objetivo é atingir uma taxa menor que 4,25% no indicador.
 

Pedro Marra

O jovem jornalista chegou à redação recém-formado e compõe a nossa equipe desde 2018. Com a experiência de ter sido repórter de esportes e cidades no Jornal de Brasília, suas pautas preferidas são educação e investigação.


Cadastre-se

A inflação no Brasil teve alta de 0,43% em fevereiro deste ano. A informação é do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que divulgou os dados nesta terça-feira (12). O aumento se deve, principalmente, aos preços aplicados na educação e nos alimentos.

O setor de educação apresentou alta de 0,17 ponto percentual no índice geral da inflação de fevereiro. Os alimentos também tiveram forte influência, com 0,19 ponto percentual sobre o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Considerando a inflação oficial do país, o IPCA ficou acima dos 0,32% de janeiro. O resultado também teve a maior variação mensal desde outubro de 2018, quando o registro foi de 0,45%. Já o índice acumulado no ano foi para 0,75%.

O IBGE esclarece que os custos com educação têm influência nos reajustes do começo do ano letivo, graças ao aumento médio de 4,58% na mensalidade de cursos regulares. 

Em relação ao setor alimentício, os maiores aumentos são nos preços do feijão-carioca, com mais de 51%, batata-inglesa, com mais de 25%, e hortaliças, com mais de 12%. No entanto, houve queda em alguns produtos, como carne, arroz, frango inteiro e tomate, que tiveram variação negativa de 1%.

Vale lembrar que em 2018, a inflação oficial fechou em 3,75%, ficando abaixo da meta estipulada pelo governo, que era de 4,5%. Para 2019, o objetivo é atingir uma taxa menor que 4,25% no indicador.

Reportagem, Pedro Marra