Menu

Reforma da Previdência será votada na CCJ da Câmara após governo enviar proposta dos militares

Medida foi selada em reunião entre o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), e líderes partidários; base governista votou a favor do acordo

Banners
Creative Commons BR

A Câmara dos Deputados deve abrir os trabalhos da Comissão de Constituição e Justiça, a CCJ, nesta quarta-feira (13), e os líderes dos partidos anunciaram acordo que condiciona a votação da reforma da Previdência ao envio, por parte do governo Federal, da proposta de alteração das regras da aposentadoria dos militares. 
A decisão foi tomada em reunião realizada, na noite desta segunda-feira (11), entre o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM) e os líderes dos partidos na Câmara dos Deputados. 

O governo de Jair Bolsonaro deixou de fora da reforma da Previdência as mudanças nas aposentadorias dos militares, que seria, a princípio, enviada para análise dos congressistas após a aprovação do texto principal. A medida foi reprovada pela oposição e também por parte da base do governo no Congresso. 

A CCJ será comandada pelo governista   Felipe Francischini do PSL do Paraná. A comissão tem 66 integrantes titulares. O bloco formado por aliados de Bolsonaro tem 11 partidos, com 39 deputados. A oposição, formada pelo PT e mais três partidos, terá 12 cadeiras na comissão. Outros 15 lugares serão compostos por deputados de partidos que ainda não integram blocos. 

Cristiano Carlos

Cristiano é jornalista formado pela Universidade Católica de Brasília, com larga experiência em emissoras de rádio, desde 2002. Como repórter trabalha na cobertura do Congresso Nacional, em Brasília, na produção de conteúdos sobre o dia a dia dos bastidores, da atuação dos parlamentares, nas comissões e nos plenários do Senado e Câmara dos Deputados. Acompanhou as campanhas eleitorais nacionais em 2014 e 2018. Também atua nas editorias de educação, saúde e esportes.


Cadastre-se

LOC.: A Câmara dos Deputados deve abrir os trabalhos da Comissão de Constituição e Justiça, a CCJ, nesta quarta-feira (13), e os líderes dos partidos anunciaram acordo que condiciona a votação da reforma da Previdência ao envio, por parte do governo Federal, da proposta de alteração das regras da aposentadoria dos militares. 
A decisão foi tomada em reunião realizada, na noite desta segunda-feira (11), entre o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM) e os líderes dos partidos na Câmara dos Deputados. 

O governo de Jair Bolsonaro deixou de fora da reforma da Previdência as mudanças nas aposentadorias dos militares, que seria, a princípio, enviada para análise dos congressistas após a aprovação do texto principal. A medida foi reprovada pela oposição e também por parte da base do governo no Congresso. 

A CCJ será comandada pelo governista   Felipe Francischini do PSL do Paraná. A comissão tem 66 integrantes titulares. O bloco formado por aliados de Bolsonaro tem 11 partidos, com 39 deputados. A oposição, formada pelo PT e mais três partidos, terá 12 cadeiras na comissão. Outros 15 lugares serão compostos por deputados de partidos que ainda não integram blocos. 

Reportagem, Cristiano Carlos