Menu

Resultado parcial das eleições de domingo (26) mostra que centro-direita perde força no Parlamento Europeu

51% dos eleitores de 28 países da União Europeia participaram da votação, que começou na última quinta (23)

  • Repórter
  • Data de publicação:
Banners

Enquanto os partidos de centro-direita perderam força no Parlamento Europeu, o continente assiste à ascensão dos partidos liberais e de extrema-direita chamados ‘eurocéticos’, e que acreditam em um estado crítico na Europa. Isso é resultado das eleições que começaram na última quinta (23) e apresentaram a parcial neste domingo (26).

Quase 51% dos eleitores dos 28 países da União Europeia participaram da votação. O número é mais alto dos últimos 20 anos.

A Itália e a França são os países que apresentam maior força de partidos de extrema-direita, populistas ou nacionalistas. O Partido Popular Europeu e a Aliança Progressista de Socialistas e Democratas, pró-europeus de centro-direita e centro-esquerda, que ocupavam mais da metade das cadeiras do Parlamento, tiveram um retrocesso e não possuem mais a maioria absoluta.

De acordo com pesquisas de boca de urna, a liderança do grupo reivindicou a Presidência da Comissão Europeia para o cabeça de chapa Manfred Weber.

Sara Rodrigues

Sara iniciou a carreira jornalística como estagiária da Agência do Rádio, em 2014. Foi repórter da UnBTV durante 1 ano e 6 meses e retornou para a redação da ARB como repórter. É responsável pela coluna Diversão em Pauta, e cobre Política Internacional.


Cadastre-se

LOC.: Enquanto os partidos de centro-direita perderam força no Parlamento Europeu, o continente assiste à ascensão dos partidos liberais e de extrema-direita chamados ‘eurocéticos’, e que acreditam em um estado crítico na Europa. Isso é resultado das eleições que começaram na última quinta (23) e apresentaram a parcial neste domingo (26).

Quase 51% dos eleitores dos 28 países da União Europeia participaram da votação. O número é mais alto dos últimos 20 anos.

A Itália e a França são os países que apresentam maior força de partidos de extrema-direita, populistas ou nacionalistas. O Partido Popular Europeu e a Aliança Progressista de Socialistas e Democratas, pró-europeus de centro-direita e centro-esquerda, que ocupavam mais da metade das cadeiras do Parlamento, tiveram um retrocesso e não possuem mais a maioria absoluta.

De acordo com pesquisas de boca de urna, a liderança do grupo reivindicou a Presidência da Comissão Europeia para o cabeça de chapa Manfred Weber.

Reportagem, Sara Rodrigues