Menu

RJ: Aluno do SENAI Campos briga por vaga na delegação brasileira da WorldSkills


Ralph de Souza Crespo pode competir na modalidade de Soldagem com alunos de mais de 60 países

 

Banners

Arquivo pessoal

 

Por Camila Costa

Depois de vencer etapas escolares, estaduais e nacionais, o aluno do SENAI Campos Ralph de Souza Crespo, 21 anos, se prepara para a última etapa antes da maior competição já enfrentada por ele até hoje, a WorldSkills. Ralph está entre os alunos do SENAI finalistas por uma vaga no desafio, que ocorrerá entre os dias 22 e 27 de agosto, na Rússia. O jovem defenderá a modalidade de Soldagem.

A WorldSkills reúne os melhores alunos de mais de 60 países. A disputa é por medalhas em modalidades que correspondem às profissões técnicas da indústria e do setor de serviço, dentro de padrões internacionais de qualidade.

Organizada pela WorldSkills International – entidade que trabalha há mais de 65 anos para o desenvolvimento e a excelência das ocupações técnicas, a competição terá jovens qualificados de países e regiões das Américas, Europa, Ásia, África e Pacífico Sul. A delegação brasileira ainda aguarda a seleção de seis competidores do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac), totalizando 63 integrantes na equipe do Brasil.

Ralph é de Campos dos Goytacazes. No município do Norte Fluminense, Ralph fez o ensino regular e, por incentivo da irmã e de um primo, se inscreveu para um curso de aprendizagem de soldador de tubulação, no SENAI. Foi destaque na turma e selecionado para participar das etapas que o levariam até a WorldSkills.

“Fiz minha inscrição, consegui passar e sempre dei meu máximo para estar conseguindo atingir os melhores resultados e, com isso, consegui me destacar na turma para participar da Olimpíada do Conhecimento. Não sabia como era o processo, nunca tinha ouvido falar, mas depois que comecei o curso, me fizeram convite, vi que era uma grande oportunidade de mudar minha vida”, pondera o jovem.

E daí em diante os treinamentos não pararam mais. Dia atrás de dia dando duro para alcançar os melhores resultados. A recompensa chegou junto com a medalha de ouro, conquistada na etapa nacional, que deu a Ralph o passaporte para tentar a vaga na WorldSkills. “Desde esse momento foi quando tive um foco maior, com esse objetivo de representar nosso país em um mundial e chegar ao mais longe possível”, comenta.

Agora, a um passo do mundial, o clima é de tensão. Ralph e os outros competidores estão em Brasília desde o dia 14 de janeiro para um intensivo de treinamento antes da viagem para a Rússia. “Bem apreensivo, ansioso, vou continuar dando meu máximo para melhorar a cada dia e poder representar da melhor maneira nosso país no mundial e poder trazer mais uma medalha para nós”, completa.

Estudos mostram que a educação profissional impacta positivamente a vida de milhões de jovens no Brasil. Em 2017, cerca de 80% dos estudantes que concluíram cursos técnicos no ano passado foram inseridos no mercado de trabalho já no primeiro ano.

De acordo com levantamento do SENAI, o curso técnico é o caminho mais rápido para a inserção qualificada do jovem no mundo do trabalho e também uma opção para o trabalhador desempregado em busca de recolocação no mercado. O salário de um profissional técnico varia entre R$ 8,5 mil e R$ 12 mil.

Para o diretor-geral do SENAI, Rafael Lucchesi, o país tem potencial em educação profissional. “O Brasil tem sido representado pelo SENAI e pelo Senac, que tem as ocupações mais da área do comércio e serviços, e o Brasil fica sempre entre os primeiros colocados”, afirma.

Competição

Cada jovem competidor recebe um projeto e tem uma determinada quantidade de horas para desenvolver o desafio, da melhor forma possível. É colocado em xeque a habilidade técnica dos participantes, cada um dentro da sua modalidade. Geralmente, o projeto de construção desafiador é inspirado em algum ponto turístico do país/cidade sede da WorldSkills, com três módulos.
A cada edição da WorldSkills, o Brasil participa com um número maior de competidores e melhora sua classificação no quadro de medalhas. Em 18 participações, o país já acumulou 136 medalhas. A melhor participação brasileira na história do campeonato foi em São Paulo, em 2015. Com 27 medalhas, o Brasil foi o primeiro do ranking de países.

Agência do Rádio



Conteúdos relacionados

Cadastre-se