Menu

Sanções econômicas não são a melhor forma de reduzir tensões entre EUA e Irã, opina especialista

Segundo professor Juliano da Silva Cortinhas (UnB), população iraniana pode sofrer com faltas de itens básicos, como remédios e alimentos

  • Repórter
  • Data de publicação:
Banners
Foto: Flickr – The White House

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou novas sanções contra o Irã. Na avaliação do professor Juliano da Silva Cortinhas, do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (UnB), esta não é a melhor saída para reduzir a tensão entre os dois países.

“As sanções econômicas não são a melhor forma de se trabalhar questões de segurança internacional. Isso porque sempre quem é mais prejudicado pelas sanções é a população do estado que está recebendo essas sanções. Na minha opinião, a melhor forma de lidar com países agressivos no sistema internacional é tentar aproximá-los das regras do sistema, tentar trazê-los para o jogo por meio das negociações”, afirma.

Segundo o jornal inglês Financial Times, os setores identificados pelas autoridades americanas para sanções adicionais, incluindo construção, manufatura, têxteis e mineração, já estavam na mira do governo americano antes mesmo da escalada de tensão com os iranianos.

O Secretário de Estado e de Tesouro dos EUA, Mike Pompeo, afirmou que as penas impostas são destinadas a produtores de itens como aço, ferro e cobre, metais usados para fabricação de mísseis.
 

Cintia Moreira

Em uma de suas experiências profissionais ganhou um prêmio jornalístico e jura que não tem pautas de preferência. Sua única preferência é que tenham pautas.


Conteúdos relacionados

Cadastre-se

LOC.: O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou novas sanções contra o Irã. Na avaliação do professor Juliano da Silva Cortinhas, do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (UnB), esta não é a melhor saída para reduzir a tensão entre os dois países.

TEC./SONORA: professor do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (UnB), Juliano da Silva Cortinhas.

“As sanções econômicas não são a melhor forma de se trabalhar questões de segurança internacional. Isso porque sempre quem é mais prejudicado pelas sanções é a população do Estado que está recebendo essas sanções. Na minha opinião, a melhor forma de lidar com países agressivos no sistema internacional é tentar aproximá-los das regras do sistema, tentar trazê-los para o jogo por meio das negociações.”
 

LOC.: Segundo o jornal inglês Financial Times, os setores identificados pelas autoridades americanas para sanções adicionais, incluindo construção, manufatura, têxteis e mineração, já estavam na mira do governo americano antes mesmo da escalada de tensão com os iranianos.

O Secretário de Estado e de Tesouro dos EUA, Mike Pompeo, afirmou que as penas impostas são destinadas a produtores de itens como aço, ferro e cobre, metais usados para fabricação de mísseis.

Reportagem, Cintia Moreira