Menu

SÃO LUÍS (MA): Coordenadora da Secretaria de Saúde estadual explica benefícios do aleitamento materno

A amamentação reduz em 13% por causas evitáveis a mortalidade infantil em crianças menores de cinco anos

Banners
Ítalo Novais

Há dois meses, o pequeno Allef nasceu para completar a família da mãe Cassiana Costa, de 27 anos. A cantora e moradora de São Luís-MA já tinha tido a experiência do aleitamento materno com o Ítalo, seu primeiro filho. 

“A experiência foi diferente de um filho para o outro. No começo, quando tive o Ítalo, tive muita dificuldade. Meu leite até empedrou. Agora, o Allef mama bastante. Tive um pouco de dificuldade com os seios bem doloridos, porque também fazia nove anos que eu não tinha outro bebê e amamentava. Mas as enfermeiras da maternidade me ajudaram. Mas aí hoje, graças a Deus, o Allef mama supertranquilo, não dói e não feriu. Uma gestação é diferente da outra – um filho é diferente do outro.”

A amamentação é recomendada pelo Ministério da Saúde até os dois anos ou mais, sendo o leite materno o único alimento nos primeiros seis meses de vida. O aleitamento tem papel fundamental na vida do bebê e ajuda no desenvolvimento completo, como na fala, dentição e até na inteligência da criança. 

De acordo com dados do Ministério, a amamentação reduz em 13% por causas evitáveis a mortalidade infantil em crianças menores de cinco anos. 

A coordenadora do Aleitamento Materno da Secretaria de Saúde de São Luís-MA, Ana Lúcia, dá detalhes sobre os benefícios do leite à saúde dos pequenos e das mães.

“Amamentar reduz as chances da mulher desenvolver câncer de mama.  O aleitamento materno é indicado até os dois anos ou mais e nos seis primeiros meses com exclusividade, ou seja, o bebê não precisa nem de água. O leite materno passa anticorpos para a criança e protege de várias doenças. Além disso também evita também o desenvolvimento de alergias e intolerâncias a determinados alimentos.” 

Um estudo publicado em 2016 pela revista The Lancet mostrou que 823 mil mortes de crianças e de 20 mil mães poderiam ter sido evitadas a cada ano em 75 países de baixa e média renda com a ampliação da amamentação.

O aleitamento materno é a forma de proteção mais econômica e eficaz para redução da mortalidade infantil. Por isso, incentive todas as mulheres que você conhece a amamentarem os seus filhos. Amamentação. Incentive a família, alimente a vida. Para mais informações, acesse saude.gov.br/amamentacao.

Agência do Rádio



Cadastre-se

LOC.: Há dois meses, o pequeno Allef nasceu para completar a família da mãe Cassiana Costa, de 27 anos. A cantora e moradora de São Luís-MA já tinha tido a experiência do aleitamento materno com o Ítalo, seu primeiro filho. 

“A experiência foi diferente de um filho para o outro. No começo, quando tive o Ítalo, tive muita dificuldade. Meu leite até empedrou. Agora, o Allef mama bastante. Tive um pouco de dificuldade com os seios bem doloridos, porque também fazia nove anos que eu não tinha outro bebê e amamentava. Mas as enfermeiras da maternidade me ajudaram. Mas aí hoje, graças a Deus, o Allef mama supertranquilo, não dói e não feriu. Uma gestação é diferente da outra – um filho é diferente do outro.”

LOC.: A amamentação é recomendada pelo Ministério da Saúde até os dois anos ou mais, sendo o leite materno o único alimento nos primeiros seis meses de vida. O aleitamento tem papel fundamental na vida do bebê e ajuda no desenvolvimento completo, como na fala, dentição e até na inteligência da criança. 

De acordo com dados do Ministério, a amamentação reduz em 13% por causas evitáveis a mortalidade infantil em crianças menores de cinco anos. 

A coordenadora do Aleitamento Materno da Secretaria de Saúde de São Luís-MA, Ana Lúcia, dá detalhes sobre os benefícios do leite à saúde dos pequenos e das mães.

“Amamentar reduz as chances da mulher desenvolver câncer de mama.  O aleitamento materno é indicado até os dois anos ou mais e nos seis primeiros meses com exclusividade, ou seja, o bebê não precisa nem de água. O leite materno passa anticorpos para a criança e protege de várias doenças. Além disso também evita também o desenvolvimento de alergias e intolerâncias a determinados alimentos.” 

LOC.: Um estudo publicado em 2016 pela revista The Lancet mostrou que 823 mil mortes de crianças e de 20 mil mães poderiam ter sido evitadas a cada ano em 75 países de baixa e média renda com a ampliação da amamentação.

O aleitamento materno é a forma de proteção mais econômica e eficaz para redução da mortalidade infantil. Por isso, incentive todas as mulheres que você conhece a amamentarem os seus filhos. Amamentação. Incentive a família, alimente a vida. Para mais informações, acesse saude.gov.br/amamentacao.