Menu

São Paulo é estado com maior rombo na Previdência

Em 2017, o déficit foi de quase R$18 bilhões

  • Repórter
  • Data de publicação:
Banners
Foto: Secretaria de Previdência

O déficit nos setores privado, dos servidores da União e militares somou R$290,2 bilhões, em 2018. Os gastos no Brasil com Previdência e assistência já representam 55% das despesas da União. Segundo o Ministério do Planejamento, em 2026, os gastos previdenciários equivalerão a 82% das despesas públicas. 

Dados da Secretaria de Previdência do Ministério da Economia, divulgados pelo Relatório de Acompanhamento Fiscal, elaborado pela Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado Federal, mostram que o estado de São Paulo é o que tem o maior rombo na Previdência. Em 2017, o déficit foi de quase R$18 bilhões. Foram R$ 13,6 bilhões em receitas previdenciárias e R$ 31,5 bilhões em despesas. Em todo o país, apenas quatro estados estão com as contas no azul: Roraima, Rondônia, Amapá e Tocantins. 

A proposta da Previdência vai ser, caso aprovada, modelo para que os estados também possam realizar suas reformas previdenciárias. Todas regras previstas devem ser seguidas obrigatoriamente pelos estados e municípios, ou seja, se a idade mínima exigida para aposentadoria do servidor público federal for de 65 anos, com 25 anos de contribuição, os funcionários estaduais e municipais também vão ser enquadrados nesta regra.

De início, os estados e municípios já vão ser beneficiados com o aumento do tempo de contribuição do funcionalismo. Além disso, o texto determina que estados e municípios que atualmente registram déficit previdenciário elevem a alíquota de contribuição previdenciária dos servidores públicos para 14%, obrigatoriamente. Hoje, esse percentual é de 11%.

No entanto, se o valor mínimo instituído pela reforma da Previdência ainda for insuficiente para equilibrar as previdências estaduais e municipais, os governos locais poderão sugerir a elevação da contribuição para até 22%.

O texto precisa ser aprovado nos plenários das câmaras de vereadores, no caso dos municípios, e nas assembleias estaduais ou Câmara Legislativa, nos estados e no Distrito Federal.

“Todas as mudanças de parâmetros para os servidores públicos da União serão autoaplicáveis para os estados e municípios. A alíquota deles também já aumenta automaticamente, de seus servidores, de 11% para 14%. Além disso, eles vão poder criar uma alíquota extraordinária. Essa alíquota extraordinária poderá ir igual à da União, até 22%, na mesma lógica da União: quem ganha mais paga mais, quem ganha menos paga menos”, explica o Secretário de Políticas de Previdência Social, do Ministério da Economia, Leonardo Rolim.   

Com as contas previdenciárias no vermelho, muitas vezes, os governos deixam de aplicar em áreas como saúde, segurança e educação. Segundo o economista Bruno Lavieri, a aprovação da reforma da Previdência, sugerida pelo governo em fevereiro, poderá, a médio prazo, solucionar o problema. 

“Essa despesa com previdência não tem como ser contida, a própria demografia do país impede que isso aconteça naturalmente. Por essa razão é necessária uma reforma da previdência que equilibre a trajetória de receitas e despesas e que permita que a dívida pública pare de crescer”, afirma. 

Com a aprovação da reforma da Previdência, o governo pretende economizar R$ 1,1 trilhão em dez anos. Deste montante, 80% serão obtidos com as mudanças de regras no Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), benefícios assistenciais e abono salarial. O restante será obtido com as alterações nos regimes dos servidores públicos.

De acordo com o deputado federal Júnior Bozzella (PSL-SP), a reforma da Previdência é fundamental para a recuperação econômica do Brasil. “A gente precisa recuperar a economia do país e isso depende exclusivamente da aprovação da nova reforma, e nos moldes que o ministro Paulo Guedes está colocando, em que a gente consiga alcançar aquele número de R$1 trilhão”, afirma.

Ainda segundo o parlamentar, a nova Previdência vai garantir que o benefício da aposentadoria chegue até os brasileiros. “Se a gente não tiver uma cautela, amanhã os jovens serão prejudicados a ponto de a gente não conseguir pagar o recurso do direito da aposentadoria do cidadão brasileiro”, ressalta.

Principais mudanças
O texto da nova Previdência enviado ao Congresso Nacional estabelece que a idade mínima para se aposentar seja de 62 anos para mulheres e 65 para homens. Os beneficiários deverão ainda contribuir por um período mínimo de 20 anos.

Em relação às aposentadorias rurais, a idade mínima para se ter direito ao benefício é de 60 anos para ambos os sexos, com 20 anos de contribuição. Essa mesma idade é estabelecida para os professores, mas, nesse caso, com o tempo mínimo de contribuição de 30 anos. O texto propõe ainda que policiais civis, federais, agentes penitenciários e socioeducativos possam se aposentar com 55 anos de idade e com tempo de contribuição específico para cada categoria.

A proposta de modernização da Previdência atinge tanto os servidores públicos quanto os trabalhadores do setor privado, que estão no guarda-chuva do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). 

Tramitação
O trâmite da proposta começa na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados. Se for aceita pela CCJ, será criada uma comissão especial formada por deputados para discutir o mérito da proposta. Aprovada pelo colegiado, seguirá para a votação no Plenário da Câmara, onde precisará de 308 dos 513 votos, antes de entrar em pauta na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado.
 

Aline Dias

Aline atuou na assessoria do Sindicato dos Empregados no Comércio do Distrito Federal (Sindicom-DF), na Predicato Assessoria de Comunicação, no Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) e na Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead), vinculada à Casa Civil. Em sua trajetória, também trabalhou como freelancer na Predicato Assessoria de Comunicação e na Frente Nacional de Prefeitos, durante o IV Encontro do Municípios com o Desenvolvimento Sustentável. Atualmente é repórter da Agência do Rádio Brasileiro.


Cadastre-se

LOC.: São Paulo é o estado com o maior rombo na Previdência. Em 2017, o déficit chegou a cerca de 18 bilhões de reais, segundo a Secretaria de Previdência do Ministério da Economia. Os gastos no país com Previdência e assistência já representam 55% das despesas da União e, segundo o Ministério do Planejamento, os gastos previdenciários equivalerão a 82% das despesas públicas, em 2026.

A proposta da Previdência vai ser, caso aprovada, modelo para que os estados também possam realizar suas reformas previdenciárias. Todas regras previstas devem ser seguidas obrigatoriamente pelos estados e municípios. Assim, se a idade mínima exigida para aposentadoria do servidor público federal for de 65 anos, com 25 anos de contribuição, os funcionários estaduais e municipais também vão ser enquadrados nesta regra.

Com as contas previdenciárias no vermelho, muitas vezes, os governos deixam de aplicar em áreas como saúde, segurança e educação. Segundo o economista Bruno Lavieri, a aprovação da nova Previdência, sugerida pelo governo em fevereiro, poderá, a médio prazo, solucionar o problema. 
 

TEC/SONORA: Economista, Bruno Lavieri
 
“Essa despesa com previdência não tem como ser contida, a própria demografia do país impede que isso aconteça naturalmente. Por essa razão é necessária uma reforma da previdência que equilibre a trajetória de receitas e despesas e que permita que a dívida pública pare de crescer.” 
 

LOC.: De acordo com o deputado federal Júnior Bozzela (PSL-SP), a reforma da Previdência é fundamental para a recuperação econômica do Brasil. 

TEC/SONORA: Deputado federal de São Paulo pelo PSL, Júnior Bozzela

“Sou a favor da nova reforma da Previdência e até por questões óbvias. A gente precisa recuperar a economia do país e isso depende exclusivamente da aprovação da nova reforma, e nos moldes que o ministro Paulo Guedes está colocando, em que a gente consiga alcançar aquele número de R$1 trilhão.”
 

LOC.: O texto da reforma da Previdência enviado ao Congresso Nacional estabelece que a idade mínima para se aposentar seja de 62 anos para mulheres e 65 para homens. Os beneficiários deverão ainda contribuir por um período mínimo de 20 anos. Com a aprovação, o governo pretende economizar mais de R$1 trilhão em dez anos.

Reportagem, Aline Dias