Menu

SC: Jovem de Blumenau vai representar o Brasil na maior competição de educação profissional do mundo

Torneio será disputado em Kazan, na Rússia, entre os dias 22 e 27 de agosto

  • Repórter
  • Data de publicação:
Banners
Foto: Arquivo Pessoal

Vitrinismo é uma das ferramentas de marketing utilizada na montagem de vitrines, com objetivo de melhorar vendas, por exemplo, por meio da exibição de produtos. É por conta dessa técnica que Gabriele Raiser, de 19 anos, moradora de Blumenau, conseguiu uma vaga para disputar a WorldSkills, maior competição de educação profissional do mundo. Ela é formada no curso de design de produto de moda, no SENAI local.

Conheça os outros participantes

Além de organizar os materiais que serão expostos nas vitrines, Gabriele será avaliada desde a criatividade utilizada no projeto até a forma como o público lida com o conteúdo.

“Eles avaliam se a minha versão está igual ao projeto, se atende ao tema, se agradaria ao público, se os produtos estão bem expostos, se está de forma criativa, se ele tem a ver com o conceito, se tem algum adereço 3D, são pontos assim. E aí, eles avaliam o acabamento”, explica Gabriele.

A jovem integra a delegação brasileira de 63 competidores que disputa o torneio na Rússia a partir desta quinta-feira (22) e se junta a estudantes de outros 10 estados e do Distrito Federal. Além dela, outros oito catarinenses competem nas modalidades de Fresagem; Soluções de Software para Negócios; Manutenção de Aeronaves; Florista; Estética e Bem Estar; Administração de Sistemas de Redes; Vitrinismo e Segurança Cibernética. Além de Blumenau, cidade de Gabriele, os municípios de São Bento do Sul, Palhoça, Rio do Sul, Tubarão, Jaraguá do Sul e Tijucas possuem representantes na WorldSkills.

Segundo Gabriele, as tarefas não são tão simples quanto parecem e exigem habilidades em outras áreas, como marcenaria e montagem de estruturas.

“Eu preciso ocupar a vitrine tal qual eu planejei. Então, preciso cortar madeira, preciso pintar parede, montar os adereços com a infraestrutura que eles me derem”, completa.

Foto: Arquivo Pessoal

Preparação

Os jovens que vão representar o Brasil em Kazan passaram por treinamento que começou em janeiro e durou seis meses. Todos os integrantes realizaram atividades voltadas para a preparação física, técnica e emocional, de acordo com sua modalidade.

Após o período de treinamento, a delegação brasileira se reuniu em Brasília para uma imersão, que contou com diversas atividades como palestras e jogos interativos com objetivo de motivar os jovens. O líder de equipe da delegação brasileira na WorldSkills, Marcelo Mendonça, conta que a adaptação é fundamental para o sucesso dos estudantes no torneio.

“Tivemos encontro de toda delegação, de competidores, para eles se integrarem, todos juntos, porque essa integração passa uma segurança maior, mostram que eles não estão sozinhos, estão com uma equipe”, ressalta Mendonça.

A competição

Realizada a cada dois anos, a WorldSkills é a maior competição de educação profissional do mundo. Neste ano, o torneio será disputado entre os dias 22 e 27 de agosto em Kazan, na Rússia. Jovens de até 25 anos de países das Américas, Europa, Ásia, África e Pacífico Sul disputam modalidades relacionadas a profissões técnicas da indústria e do setor de serviços. Os competidores precisam demonstrar habilidades individuais e coletivas para responder aos desafios de suas ocupações dentro de padrões internacionais de qualidade.

A melhor participação brasileira na história do campeonato foi em São Paulo, em 2015, com 27 medalhas conquistadas, resultado que rendeu o 1º lugar geral. Em 2017, em Abu Dhabi, a delegação manteve o país no pódio, quando terminou em segundo lugar geral com 15 medalhas.
 

Paulo Henrique

Formado em Jornalismo e com Pós-Graduação em Gestão da Comunicação nas Organizações, possui experiência em redações e assessorias, atuou como estagiário na Secretaria de Saúde do Distrito Federal, no Portal R7 e na ASCOM da Câmara dos Deputados. Depois de formado, foi Assessor de Comunicação do Instituto de Migrações e Direitos Humanos e atualmente é repórter na Agência do Rádio.


Cadastre-se

LOC.: Vitrinismo é uma das ferramentas de marketing utilizada na montagem de vitrines, com objetivo de melhorar vendas, por exemplo, por meio da exibição de produtos. É por conta dessa técnica que Gabriele Raiser, de 19 anos, moradora de Blumenau, conseguiu uma vaga para disputar a WorldSkills, maior competição de educação profissional do mundo. Ela é formada no curso de design de produto de moda, no SENAI local.

Além de organizar os materiais que serão expostos nas vitrines, Gabriele será avaliada desde a criatividade utilizada no projeto até a forma como o público lida com o conteúdo.

TEC./SONORA: “Eles avaliam se a minha versão está igual ao projeto, se atende ao tema, se agradaria ao público, se os produtos estão bem expostos, se está de forma criativa, se tem a ver com o conceito, se tem algum adereço 3D, são pontos assim. E aí, eles avaliam o acabamento”.

LOC.: A jovem integra a delegação brasileira de 63 competidores que disputa o torneio na Rússia a partir desta quinta-feira (22) e se junta a estudantes de outros 10 estados e do Distrito Federal. Além dela, outros oito catarinenses competem nas modalidades de Fresagem; Soluções de Software para Negócios; Manutenção de Aeronaves; Florista; Estética e Bem Estar; Administração de Sistemas de Redes; Vitrinismo e Segurança Cibernética. Além de Blumenau, cidade de Gabriele, os municípios de São Bento do Sul, Palhoça, Rio do Sul, Tubarão, Jaraguá do Sul e Tijucas possuem representantes na WorldSkills.

Os jovens que vão representar o Brasil em Kazan passaram por treinamento que começou em janeiro e durou seis meses. Todos os integrantes realizaram atividades voltadas para a preparação física, técnica e emocional, de acordo com sua modalidade.

Após o período de treinamento, a delegação brasileira se reuniu em Brasília para uma imersão, que contou com diversas atividades como palestras e jogos interativos com objetivo de motivar os jovens. O líder de equipe da delegação brasileira na WorldSkills, Marcelo Mendonça, conta que a adaptação é fundamental para o sucesso dos estudantes no torneio.
 

TEC./SONORA: “Tivemos encontro de toda delegação, de competidores, para eles se integrarem mesmo, todos juntos, porque essa integração passa uma segurança maior para eles, porque não estão sozinhos, estão com uma equipe”.

LOC.: Realizada a cada dois anos, a WorldSkills é a maior competição de educação profissional do mundo. Neste ano, o torneio será disputado entre os dias 22 e 27 de agosto em Kazan, na Rússia. Jovens de até 25 anos de países das Américas, Europa, Ásia, África e Pacífico Sul disputam modalidades relacionadas a profissões técnicas da indústria e do setor de serviços. Os competidores precisam demonstrar habilidades individuais e coletivas para responder aos desafios de suas ocupações dentro de padrões internacionais de qualidade.

A melhor participação brasileira na história do campeonato foi em São Paulo, em 2015, com 27 medalhas conquistadas, resultado que rendeu o 1º lugar geral. Em 2017, em Abu Dhabi, a delegação manteve o país no pódio, quando terminou em segundo lugar geral com 15 medalhas.
 
Reportagem, Paulo Henrique Gomes