Menu

SENAI do Paraná oferece capacitação técnica e aumenta chances de crescimento profissional na indústria

Atualmente, o SENAI tem 587 unidades fixas e 457 móveis e dispõe ainda de 189 laboratórios de serviços. Presentes em 2.700 municípios, essas unidades oferecem cursos em todos os níveis da educação profissional e tecnológica

Banners
Foto: Senai Paraná / Facebook

O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) capacitou mais de 118,5 mil pessoas no Paraná, isso só no ano de 2018. Principal responsável pela formação técnica e profissional, a instituição qualifica jovens e trabalhadores para atuarem na indústria local, que emprega 25,3% da força de trabalho no estado, com 765 mil empregos diretos. 

A educação oferecida pela instituição, que integra o Sistema S ao lado de entidades como o Serviço Social da Indústria (SESI) e Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac), é reconhecida internacionalmente. Nas últimas edições da WorldSkills, a maior competição de educação profissional do mundo, estudantes do SENAI conquistaram o 1º e o 2º lugares, em 2015 e 2017, respectivamente. Além disso, a entidade é reconhecida pela Organização das Nações Unidas (ONU) como uma das principais contribuintes para a educação de qualidade nos países do hemisfério Sul. 

Para Victor Teles, gerente-executivo da Festo Didactics, empresa de treinamento e consultoria do segmento industrial, o método utilizado pelo SESI e SENAI coloca os alunos das instituições passos à frente dos demais para entrar no mercado de trabalho, já que eles são estimulados a aprofundarem seus conhecimentos desde cedo.

“O papel do SESI e do SENAI é fundamental para preparação de mão de obra especializada e diferenciada para indústria, além desse ponto fundamental para o aumento da produtividade e, consequentemente, da competitividade da indústria brasileira no mercado internacional”, afirma.

Além disso, Teles considera que o tipo de ensino oferecido pelo SESI e SENAI representa a única maneira que jovens de baixa renda têm de entrar no mercado de trabalho e terem alguma chance de progredir na vida.“Em inúmeros casos, é a oportunidade da vida dessas crianças e adolescentes que encontram no SESI e no SENAI o nível de ensino que suas famílias jamais poderiam arcar”, completa. 

Qualificação

Morador de Cascavel, Eduardo Benvegnir, 19 anos, é um dos jovens que teve a experiência de passar pelo SENAI. Ele começou um curso técnico em manutenção automotiva com o objetivo de unir o gosto que tinha por carros ao negócio da família. Mas acabou indo muito mais longe: vai representar o Brasil na WorldSkills, na modalidade tecnologia automotiva. A competição vai ocorrer em agosto, na Rússia.

Segundo Eduardo, o curso técnico trouxe mais conhecimento e deu uma turbinada em seu currículo, trazendo mais chances na hora da contratação. “Você chega para trabalhar com uma visão diferente, porque dentro do SENAI a gente tem uma ideia de trabalhar na prática. Você aprende a teoria e trabalha na prática. Faz muita diferença ter um curso técnico quando se está no mercado de trabalho”, reforça.

Por conta dos serviços prestados em todo o país, a eficácia e o modelo educacional rendem elogios de diversos setores da sociedade, como a classe política. Entre deputados e senadores, o Sistema S é visto como algo que precisa ser preservado. 

 “O Sistema S tem feito um trabalho muito bom para o sistema produtivo. Ele contribui com suas políticas de desenvolvimento local, tem também um trabalho muito sério e eu reconheço a importância deles”, afirma o deputado federal EnioVerri (PT/PR).

Atualmente, o SENAI tem 587 unidades fixas e 457 móveis e dispõe ainda de 189 laboratórios de serviços. Presentes em 2.700 municípios, essas unidades oferecem cursos em todos os níveis da educação profissional e tecnológica. No Paraná, o SENAI possui 44 unidades fixas e 44 unidades móveis, que atendem quase 400 municípios. 

Já o SESI, que tem 50 escolas no estado, tem mais de 250 mil matrículas em educação básica e continuada e ações educativas, oferecendo qualificação de qualidade e cidadania para os brasileiros. A instituição conta com 501 escolas, 114 unidades de vida saudável e 553 unidades móveis em todo o Brasil. Além disso, mantém oito centros de inovação, que desenvolvem tecnologias para a segurança e saúde na indústria. Juntas, as duas instituições do Sistema S empregam quase 60 mil pessoas no país.

Profissões na indústria 

As profissões que mais abrem vagas na indústria paranaense são aquelas ligadas à tecnologia. Esse é um dos reflexos da chegada da Indústria 4.0, que traz novas tecnologias para o setor, para que ela se torne mais ágil e mais eficaz na entrega do seu produto.

A gerente-executiva de educação da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), Giovana Punhagui, explica que o curso técnico em tecnologia da informação e comunicação também é o mais procurado no SENAI, já que o profissional é considerado fundamental para que a indústria passe por essa evolução. 

“Para que a transformação digital aconteça dentro da empresa, dentro da indústria, um profissional como esse vai fazer bastante diferença. Ele vai fazer a conexão entre a máquina, para fazer análise de dados e para entregar um produto mais eficiente,para melhorar a experiência do consumidor”, relataela.

São mais de 30 cursos técnicos e 80 cursos de curta duração oferecidos pelo SENAI, além das graduações. Os cursos nas áreas da construção civil,metalmecânica, automotiva, vestuário e elétrica também estão entre os mais procurados. 

De acordo com a gerente-executiva do Sistema Fiep, em todos os cursos, o SENAI alinha teoria e prática e representa uma opção para quem procura o primeiro emprego, a construção de uma carreira ou até mesmo para quem busca uma recolocação. “Todos esses aspectos fazem com que a educação do SENAI seja de excelência, para que a gente possa realmente fortalecer a indústria com a mão de obra que estamos formando”, garante.

Em 2017, cerca de 80% dos estudantes que concluíram cursos técnicos foram inseridos no mercado de trabalho já no primeiro ano após a formação. Além disso, um profissional com habilitação técnica pode ter aumento de até 18% na renda média mensal. 
 

Juliana Gonçalves

A carreira jornalística de Juliana deu início com assessoria de imprensa. Após um tempo, entrou como estagiária na redação da Agência do Rádio. Trabalhou, também, na TV Band com foco em política por um tempo e voltou para nossa redação como repórter em 2018.


Cadastre-se

LOC.: Mais de 118.500 pessoas foram atendidas pelo SENAI do Paraná em 2018. Elas receberam capacitação técnica para atuar na indústria do estado, que emprega 25,3% da força de trabalho paranaense, com 765 mil empregos diretos. A educação oferecida pelo SENAI, que integra o Sistema S ao lado de entidades como o SESI e SENAC, é reconhecida internacionalmente. Além disso, a instituição é reconhecida pela ONU como uma das principais contribuintes para a educação de qualidade nos países do hemisfério Sul.

Para Victor Teles, gerente-executivo da Festo Didactics, empresa de treinamento e consultoria do segmento industrial, o método utilizado pelo SESI e SENAI coloca os alunos destas instituições passos à frente dos demais para entrar no mercado de trabalho, já que eles são estimulados a aprofundarem seus conhecimentos desde cedo.
 

TEC/SONORA: Victor Teles, gerente-executivo da Festo Didactics

“O papel do SESI e do SENAI é fundamental para preparação de mão de obra especializada e diferenciada para indústria, além desse ponto fundamental para o aumento da produtividade e, consequentemente, da competitividade da indústria brasileira no mercado internacional.”
 

LOC.: Com 19 anos, Eduardo Benvegnir é um dos jovens que viveu a experiência de passar pelo SENAI. Morador de Cascavel, ele ingressou em um curso técnico em manutenção automotiva e vai representar o Brasil na WorldSkills, a maior competição do mundo, na modalidade tecnologia automotiva. A competição vai ocorrer em agosto, na Rússia. Segundo Eduardo, o curso técnico trouxe mais conhecimento e deu uma turbinada em seu currículo, trazendo mais chances na hora da contratação. 

TEC/SONORA: Eduardo Benvegnir, estudante

“Você chega para trabalhar com uma visão diferente, porque dentro do SENAI a gente tem uma ideia de trabalhar na prática. Você aprende a teoria e trabalha na prática. Faz muita diferença ter um curso técnico quando se está no mercado de trabalho.”
 

LOC.: Por conta dos serviços prestados em todo o país, a eficácia e o modelo educacional rendem elogios de diversos setores da sociedade, como a classe política. Entre deputados e senadores, o Sistema S é visto como algo que precisa ser preservado. É o que defende o deputado federal Enio Verri, do PT do Paraná.

TEC/SONORA: Enio Verri, deputado federal (PT/PR)

 “O Sistema S tem feito um trabalho muito bom para o sistema produtivo. Ele contribui com suas políticas de desenvolvimento local, tem também um trabalho muito sério e eu reconheço a importância deles.”
 

LOC.: Em todo o Brasil, o SENAI tem atualmente 587 unidades fixas e 457 móveis, e dispõe ainda de 189 laboratórios de serviços. Presentes em 2.700 municípios, essas unidades oferecem cursos em todos os níveis da educação profissional e tecnológica.

No caso do SESI, a instituição conta com 501 escolas, 114 unidades de vida saudável e 553 unidades móveis, que oferecem educação básica, cursos de educação continuada e serviços de saúde em todo o país. Mantém, ainda, oito centros de inovação, que desenvolvem tecnologias para a segurança e saúde na indústria. Juntas, as duas instituições do Sistema S empregam quase 60 mil pessoas no país.

Com a colaboração de Aline Dias, reportagem, Juliana Gonçalves