Menu

SP: Dez equipes do SESI garantem vaga na etapa nacional de torneio de robótica

“Thunderbóticos”, de Rio Claro, é atual campeã nacional da FLL, enquanto “Red Rabbit”, de Americana, levou o título na etapa internacional da categoria

  • Repórter
  • Data de publicação:
Banners
Equipes de São Paulo / Arquivo Pessoal

Dez equipes do SESI vão representar o estado de São Paulo na etapa nacional do Torneio de Robótica FIRST LEGO League (FLL), que reunirá estudantes de todo o país. O objetivo dos competidores de Ourinhos, Birigui, Barra Bonita, Bauru, Garça, Jundiaí, Rio Claro, Americana, Araras e Cajamar é apresentar soluções inovadoras para melhorar, por exemplo, o aproveitamento energético das cidades e a acessibilidade de casas e prédios. A disputa ocorrerá em março, na capital paulista.

O trabalho em robótica desenvolvido por estudantes paulistas foi reconhecido na etapa mundial do torneio, em abril do ano passado, nos Estados Unidos. A equipe “Red Rabbit”, do SESI de Americana, levou o prêmio de melhor Design do Robô, o que a coloca como uma das favoritas ao título nacional.
 
“Estamos em busca da vaga para o mundial, mas não para buscar a vitória, para ampliar os nossos conhecimentos. Quando chegar lá, queremos compartilhar todas as nossas ideias e os nossos aprendizados com todos que estiverem lá. Esse é nosso principal objetivo para o torneio”, afirma a estudante Luisa Bozelli, de 14 anos, uma das integrantes do grupo.
 
Para a etapa nacional deste ano, ela e outros sete colegas desenvolveram uma porta inteligente, que permite a pessoas com deficiência ou outro tipo de limitação física a utilização do banheiro de forma autônoma, por meio de um cartão magnético.
 
Quem também desponta como candidata ao título é a equipe “Thunderbóticos”, do SESI de Rio Claro, atual campeã da etapa nacional. Para este ano, o grupo de 10 alunos defenderá o projeto que soluciona a falta de área verde nas cidades por meio de blocos de vegetação de baixo custo, instalados nos telhados das casas.
 
Para a estudante Marcela Brito, de 15 anos, uma das idealizadoras do “Jardim em Fatias”, a solução foi pensada para atender todos os bolsos. “Acoplamos ao telhado módulos de vegetação, com materiais de baixo custo e resistentes, para ser de fácil acesso e que unisse preservação com aumento da vegetação”, explicou a jovem.

A competição
 
O Torneio de Robótica FIRST LEGO League reúne 100 equipes formadas por estudantes de 9 a 16 anos e promove disciplinas, como ciências, engenharia e matemática, em sala de aula. Nesta semana, de 13 a 16 de fevereiro, ocorrem as últimas etapas regionais que classificam para o nacional.
 
O objetivo é contribuir, de forma lúdica, para o desenvolvimento de competências e habilidades comportamentais exigidas dos jovens. Todo ano, a FLL traz uma temática diferente. Em 2020, os competidores terão que apresentar soluções inovadoras para melhorar, por exemplo, o aproveitamento energético nas cidades e a acessibilidade de casas e prédios. 

Para o supervisor técnico educacional do SESI de São Paulo, Ivanei Nunes, o FIRST LEGO League é um torneio que envolve o desenvolvimento do ser humano, do pesquisador e do robô. “Os alunos são desafiados a pensar em problemas do mundo real. A robótica se tornou uma estratégia de aprendizagem importante e eficaz para que o jovem goste mais de estudar”, aponta.

 


 

Camila Costa

Jornalista formada há 10 anos, foi repórter de política no Jornal Tribuna do Brasil, do Jornal Alô Brasília e do Jornal de Brasília. Por cinco anos esteve no Correio Braziliense, como repórter da editoria de Cidades. Foi repórter e coordenadora de redação na Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead), vinculada à Presidência da República. Recebeu, por duas vezes, o Prêmio PaulOOctavio de Jornalismo e, em 2014, o Prêmio Imprensa Embratel/Claro 15° Edição. Hoje, Camila é repórter da redação da Agência do Rádio.


Cadastre-se

LOC.: Dez equipes do SESI vão representar o estado de São Paulo na etapa nacional do Torneio de Robótica FIRST LEGO League (FLL), que reunirá estudantes de todo o país. O objetivo dos competidores de Ourinhos, Birigui, Barra Bonita, Bauru, Garça, Jundiaí, Rio Claro, Americana, Araras e Cajamar é apresentar soluções inovadoras para melhorar, por exemplo, o aproveitamento energético das cidades e a acessibilidade de casas e prédios. A disputa ocorrerá em março, na capital paulista.
 
A equipe “Red Rabbit”, do SESI de Americana, foi campeã mundial do torneio em abril do ano passado, nos Estados Unidos. Para a etapa nacional deste ano, a estudante Luisa Bozelli, de 14 anos, e outros sete colegas desenvolveram uma porta inteligente, que permite a pessoas com deficiência ou outro tipo de limitação física a utilização do banheiro de forma autônoma, por meio de um cartão magnético. O projeto, segundo Luiza, nasceu ao observar problemas enfrentados por uma colega cadeirante na escola.
 
 

TEC./SONORA: Luisa Bozelli, estudante
 
“A gente percebeu que uma das maiores dificuldades dela era a de abrir portas e isso a chateava, principalmente, quando ia ao banheiro. Toda vez, ela tinha que ir acompanhada. Como banheiro é uma situação individual, isso causava incômodo.”
 
 

LOC.: Quem também desponta como candidata ao título é a equipe “Thunderbóticos”, do SESI de Rio Claro, atual campeã da etapa nacional. Para este ano, o grupo de 10 alunos defenderá o projeto que soluciona a falta de área verde nas cidades por meio de blocos de vegetação de baixo custo, instalados nos telhados das casas.
 
Para a estudante Marcela Brito, de 15 anos, uma das idealizadoras do “Jardim em Fatias”, a solução foi pensada para atender todos os bolsos.
 
 

TEC./SONORA: Marcela Brito, estudante
 
“Acoplamos ao telhado módulos de vegetação, com materiais de baixo custo e resistentes, para ser de fácil acesso e que unisse preservação com aumento da vegetação.”
 
 

LOC.: O Torneio de Robótica FIRST LEGO League reunirá 100 equipes formadas por estudantes de 9 a 16 anos e promove disciplinas, como ciências, engenharia e matemática, em sala de aula. Nesta semana, de 13 a 16 de fevereiro, ocorrem as últimas etapas regionais que classificam para o nacional. O objetivo é contribuir, de forma lúdica, para o desenvolvimento de competências e habilidades comportamentais exigidas dos jovens.
 
Reportagem, Camila Costa