Menu

SUDESTE: Empresários consideram SESI e SENAI como as instituições que mais contribuem para a qualificação profissional

Estudo do Instituto FSB Pesquisa mostra que nove em cada dez entrevistados (91,2%) têm imagem positiva ou muito positiva do SENAI. Já sobre o SESI, esse percentual chegou próximo de 80%

  • Repórter
  • Data de publicação:
Banners
Foto: Agência Brasil/EBC

Levantamento do Instituto FSB Pesquisa mostra que o SESI e o SENAI foram as instituições melhor avaliadas pela iniciativa privada por conta da qualificação profissional ofertada no país. Nove em cada dez empresários (91,2%) disseram ter imagem positiva ou muito positiva do SENAI. Já sobre o SESI, esse percentual foi de 79,4%.

Na região Sudeste, Jorge Alberto Corso, funcionário de uma metalúrgica, em São Bernardo do Campo (SP), cresceu vendo a influência positiva do Sistema S. O pai era de Tupã, uma cidade do interior paulista que não tinha indústria, mas tinha uma unidade do SENAI. Lá, o pai de Jorge fez um curso de desenho técnico e conseguiu um emprego em uma montadora da região do ABC. Hoje em dia, Jorge trabalha na mesma empresa há 33 anos, sempre optando pelas qualificações do SENAI para se atualizar.

“Comecei como office boy e hoje cuido de toda área de informática. Ao longo dos 33 anos que trabalho, me envolvi em várias áreas, tive muito contato com toda operação da empresa”, afirmou. Jorge conta ainda que viu colegas crescerem dentro da empresa depois de investirem em cursos de qualificação. Além disso, ressaltou que todas as vezes que precisou contratar um funcionário, observou se o candidato já havia feito curso em instituições do Sistema S, como o SENAI.

“Sempre foi uma instituição que prezou pela qualidade. Os profissionais que fazem o SENAI são profissionais que têm conhecimento técnico, prático do assunto, da área que dominam”, elogiou Jorge. 

A pesquisa realizada com quatro mil empresários revela ainda que, em uma escala de zero a dez, SESI e SENAI receberam nota 7,0 por sua contribuição profissional, com avaliação superior a de instituições das redes pública e privada. De acordo com a pesquisa, 85,2% dos empresários avaliaram o trabalho das entidades administradas pela indústria como bom ou ótimo.

Na avaliação do deputado federal Bilac Pinto (DEM-MG), é preciso reconhecer a importância do Sistema S na formação profissional. “Eu, particularmente, apoio e muito toda a estrutura que existe hoje dentro do Sistema S, tem feito um grande trabalho, tem contribuído para formação da mão de obra no nosso país, algo tão imprescindível para um país em crescimento como o nosso”, ponderou o parlamentar.

Já o deputado federal Amaro Neto (PRB-ES) afirmou que a presença das instituições é forte no estado do Espírito Santo e que já foi qualificado por entidades do Sistema S. “Ainda na adolescência, eu fiz mecânica de automóveis no SENAI do Espírito Santo e isso foi importante também para a minha formação, para hoje ser deputado federal e também para ser jornalista”, recordou.

A região Sudeste tem 234 unidades fixas e 140 unidades móveis do SENAI. No Brasil, em 2018, foram feitas 2,3 milhões de matrículas em educação profissional. Já o SESI efetuou 1,1 milhão de matrículas em educação básica, continuada e ações educativas e, no mesmo período, beneficiou mais de 3,5 milhões de pessoas com serviços de saúde e segurança, além de aplicar mais de 989 mil vacinas.
 

Camila Costa

Jornalista formada há 10 anos, foi repórter de política no Jornal Tribuna do Brasil, do Jornal Alô Brasília e do Jornal de Brasília. Por cinco anos esteve no Correio Braziliense, como repórter da editoria de Cidades. Foi repórter e coordenadora de redação na Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead), vinculada à Presidência da República. Recebeu, por duas vezes, o Prêmio PaulOOctavio de Jornalismo e, em 2014, o Prêmio Imprensa Embratel/Claro 15° Edição. Hoje, Camila é repórter da redação da Agência do Rádio.


Cadastre-se

LOC.: Levantamento do Instituto FSB Pesquisa mostra que o SESI e o SENAI foram as instituições melhor avaliadas pela iniciativa privada por conta da qualificação profissional ofertada no país. Nove em cada dez empresários (91,2%) disseram ter imagem positiva ou muito positiva do SENAI. Já sobre o SESI, esse percentual foi de 79,4%.

Na região Sudeste, Jorge Alberto Corso, funcionário de uma metalúrgica, em São Bernardo do Campo (SP), cresceu vendo a influência positiva do Sistema S. O pai era de Tupã, uma cidade do interior paulista que não tinha indústria, mas tinha uma unidade do SENAI. Lá, o pai de Jorge fez um curso de desenho técnico e conseguiu um emprego em uma montadora da região do ABC. Hoje em dia, Jorge trabalha na mesma empresa há 33 anos, sempre optando pelas qualificações do SENAI para se atualizar.

Jorge conta ainda que viu colegas crescerem dentro da empresa depois de investirem em cursos de qualificação. Além disso, ressaltou que todas as vezes que precisou contratar um funcionário, observou se o candidato já havia feito curso em instituições do Sistema S, como o SENAI.
 

TEC./SONORA: “Sempre foi uma instituição que prezou pela qualidade. Os profissionais que fazem o SENAI são profissionais que têm conhecimento técnico, prático do assunto, da área que dominam.”

LOC.: A pesquisa realizada com quatro mil empresários revela ainda que, em uma escala de zero a dez, SESI e SENAI receberam nota 7,0 por sua contribuição profissional, com avaliação superior a de instituições das redes pública e privada. De acordo com a pesquisa, 85,2% dos empresários avaliaram o trabalho das entidades administradas pela indústria como bom ou ótimo.

Na avaliação do deputado federal Bilac Pinto (DEM-MG), é preciso reconhecer a importância do Sistema S na formação profissional.
 

TEC./SONORA: “Eu, particularmente, apoio e muito toda a estrutura que existe hoje dentro do Sistema S, tem feito um grande trabalho, tem contribuído para formação da mão de obra no nosso país e dado a partir daí uma grande contribuição para que a gente possa estar qualificando e preparando uma mão de obra que é tão imprescindível para um país em crescimento como o nosso.”

LOC.: Já o deputado federal Amaro Neto (PRB-ES) afirmou que a presença das instituições é forte no estado do Espírito Santo e que já foi qualificado por entidades do Sistema S.

TEC./SONORA: “Ainda na adolescência, eu fiz mecânica de automóveis no SENAI do Espírito Santo e isso foi importante também para a minha formação, para hoje ser deputado federal e também para ser jornalista.”

LOC.: A região Sudeste tem 234 unidades fixas e 140 unidades móveis do SENAI. No Brasil, em 2018, foram feitas 2,3 milhões de matrículas em educação profissional. Já o SESI efetuou 1,1 milhão de matrículas em educação básica, continuada e ações educativas e, no mesmo período, beneficiou mais de 3,5 milhões de pessoas com serviços de saúde e segurança, além de aplicar mais de 989 mil vacinas.

Reportagem, Camila Costa