Menu

SuperVia fecha acordo e deve distribuir 30 mil bilhetes gratuitamente

Defensoria Pública determina que concessionária custeie tratamentos e indenização às vítimas

  • Repórter
  • Data de publicação:
Banners
Créditos: Tânia Regô/AgenciaBrasil

Após um acordo com a Defensoria Pública do Rio de Janeiro, a empresa SuperVia, que mantém as linhas de trem do Rio de Janeiro, se comprometeu a distribuir 30 mil bilhetes gratuitos para o passageiros do ramal Deodoro. A ação tem o intuito de reparar o acidente entre duas composições da linha que bateram na manhã desta quarta. O maquinista de um dos trens morreu no acidente e outras oito pessoas ficaram feridas.

Após assinar o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), a concessionária terá de bancar o tratamento médico, fisioterápico e psicológico de todas as vítimas do acidente, além proporcionar uma indenização para cada uma delas.

Os valores das indenizações não serão divulgados. As vítimas terão 120 dias para buscar a indenização e a reparação, comprovando o dano ou procurando um atendimento em uma unidade de saúde entre esta quinta (28) e amanhã, sexta-feira (29).

Os trens bateram ontem, por volta das 6h45 da manhã, na estação de São Cristóvão, no ramal de Deodoro. Os dois trens vinham da estação central e acabaram colidindo. Entre as vítimas, o caso do maquinista Rodrigo da Silva Ribeiro Assumpção foi o mais grave. Ele ficou preso nas ferragens e os bombeiros trabalharam por mais de sete horas no resgate. Apesar de conseguirem retirar Rodrigo, ele não resistiu e faleceu. As outras oito vítimas foram removidas, sete enviadas ao hospital Souza Aguiar e uma para o Salgado Filho. Nenhuma delas corre risco de morte.

Em nota, a SuperVia lamentou a morte do maquinista, que trabalhava na empresa desde 2011. A concessionária destacou que os dois trens possuíam um equipamento que reforça a sinalização e que vai instaurar uma sindicância para descobrir as causas do acidente.
 

Raphael Costa

O repórter Raphael Costa formou-se em 2015 no Centro Universitário de Brasília (CEUB), mas deu início à sua carreira anteriormente. Originalmente paulista, começou em um programa de Rádio e TV local, até se mudar para Brasília. Com cerca de três anos de casa, é a voz que noticia esportes, agricultura e economia.


Cadastre-se

Após um acordo com a Defensoria Pública do Rio de Janeiro, a empresa SuperVia, que mantém as linhas de trem do Rio de Janeiro, se comprometeu a distribuir 30 mil bilhetes gratuitos para o passageiros do ramal Deodoro. A ação tem o intuito de reparar o acidente entre duas composições da linha que bateram na manhã desta quarta. O maquinista de um dos trens morreu no acidente e outras oito pessoas ficaram feridas.

Após assinar o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), a concessionária terá de bancar o tratamento médico, fisioterápico e psicológico de todas as vítimas do acidente, além proporcionar uma indenização para cada uma delas.

Os valores das indenizações não serão divulgados. As vítimas terão 120 dias para buscar a indenização e a reparação, comprovando o dano ou procurando um atendimento em uma unidade de saúde entre esta quinta (28) e amanhã, sexta-feira (29).

Os trens bateram ontem, por volta das 6h45 da manhã, na estação de São Cristóvão, no ramal de Deodoro. Os dois trens vinham da estação central e acabaram colidindo. Entre as vítimas, o caso do maquinista Rodrigo da Silva Ribeiro Assumpção foi o mais grave. Ele ficou preso nas ferragens e os bombeiros trabalharam por mais de sete horas no resgate. Apesar de conseguirem retirar Rodrigo, ele não resistiu e faleceu. As outras oito vítimas foram removidas, sete enviadas ao hospital Souza Aguiar e uma para o Salgado Filho. Nenhuma delas corre risco de morte.

Em nota, a SuperVia lamentou a morte do maquinista, que trabalhava na empresa desde 2011. A concessionária destacou que os dois trens possuíam um equipamento que reforça a sinalização e que vai instaurar uma sindicância para descobrir as causas do acidente.

Reportagem, Raphael Costa