Menu

TERESINA (PI): É sinônimo de vida, relata mãe “apaixonada” pela amamentação

Atualmente, apenas 38% dos bebês são alimentados exclusivamente pelo leite materno até os seis meses.

Banners
Ítalo Novais

Marina tem apenas dois meses de vida e amamenta exclusivamente e em livre demanda, ou seja, quando ela sente necessidade. A mamãe Nayra Leal, contadora e moradora de Teresina-PI, destaca que apesar das dificuldades que enfrentou durante o começo do aleitamento materno, não desistiu do tão esperado sonho de amamentar a sua filha.

“Mesmo com o peito ferido por conta da pega errada, eu continuei a dar de mamar a ela, porque eu não queria desistir de amamentar. Busquei ajuda de um profissional de saúde e agora, com o passar do sufoco, eu sou completamente apaixonada pela amamentação e adoro amamentar. A minha filha já dorme a noite inteira e sinto falta de quando acordava de madrugada para poder dar o peito para ela. Aonde eu tiver – em qualquer lugar –, se ela pedir o peito, eu dou. Para mim, é um sinônimo de vida.” 

De acordo com o Ministério da Saúde, a amamentação reduz em 13% por causas evitáveis a mortalidade infantil em crianças menores de cinco anos. O leite materno é um recurso natural e proporciona nutrientes que a criança precisa para crescer mais saudável, como destaca Vanessa Paz, que é coordenadora do Banco de Leite Humano do Estado do Piauí.

“Para o bebê, o aleitamento materno é fundamental. Desde o primeiro momento, o bebê já começa a receber os fatores de proteção indiscutivelmente favoráveis para estabelecer o sistema de defesa apropriado. É completo em nutrientes – inclusive água. Então, o leite materno tem sais mineiras, vitaminas, a gordura necessária.”

Atualmente, apenas 38% dos bebês são alimentados exclusivamente pelo leite materno até os seis meses, e só 32% continuam amamentando até os 24 meses. Os dados são da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde. 

A amamentação é a forma de proteção mais econômica e eficaz para redução da mortalidade infantil. Por isso, incentive todas as mulheres que você conhece a amamentarem os seus filhos. Amamentação. Incentive a família, alimente a vida. Para mais informações, acesse saude.gov.br/amamentacao. 

Agência do Rádio



Cadastre-se

LOC.: Marina tem apenas dois meses de vida e amamenta exclusivamente e em livre demanda, ou seja, quando ela sente necessidade. A mamãe Nayra Leal, contadora e moradora de Teresina-PI, destaca que apesar das dificuldades que enfrentou durante o começo do aleitamento materno, não desistiu do tão esperado sonho de amamentar a sua filha.

“Mesmo com o peito ferido por conta da pega errada, eu continuei a dar de mamar a ela, porque eu não queria desistir de amamentar. Busquei ajuda de um profissional de saúde e agora, com o passar do sufoco, eu sou completamente apaixonada pela amamentação e adoro amamentar. A minha filha já dorme a noite inteira e sinto falta de quando acordava de madrugada para poder dar o peito para ela. Aonde eu tiver – em qualquer lugar –, se ela pedir o peito, eu dou. Para mim, é um sinônimo de vida.” 

LOC.: De acordo com o Ministério da Saúde, a amamentação reduz em 13% por causas evitáveis a mortalidade infantil em crianças menores de cinco anos. O leite materno é um recurso natural e proporciona nutrientes que a criança precisa para crescer mais saudável, como destaca Vanessa Paz, que é coordenadora do Banco de Leite Humano do Estado do Piauí.

“Para o bebê, o aleitamento materno é fundamental. Desde o primeiro momento, o bebê já começa a receber os fatores de proteção indiscutivelmente favoráveis para estabelecer o sistema de defesa apropriado. É completo em nutrientes – inclusive água. Então, o leite materno tem sais mineiras, vitaminas, a gordura necessária.”

LOC.: Atualmente, apenas 38% dos bebês são alimentados exclusivamente pelo leite materno até os seis meses, e só 32% continuam amamentando até os 24 meses. Os dados são da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde. 

A amamentação é a forma de proteção mais econômica e eficaz para redução da mortalidade infantil. Por isso, incentive todas as mulheres que você conhece a amamentarem os seus filhos. Amamentação. Incentive a família, alimente a vida. Para mais informações, acesse saude.gov.br/amamentacao.