Menu

Trump afirma que China deslocou tropas para Hong Kong após confronto entre policiais e manifestantes em aeroporto

Em declaração por conta do episódio, Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, condenou “qualquer forma de violência”

  • Repórter
  • Data de publicação:
Banners
Foto: Youtube

Em uma postagem publicada nas redes sociais, o presidente americano, Donald Trump, afirmou que a China deslocou tropas para a fronteira com Hong Kong, em reação aos protestos contra o governo local. Imagens de TVs internacionais confirmam a informação.

A medida foi adotada por Pequim depois que o aeroporto de Hong Kong foi palco de protestos e confusão entre manifestantes e policiais, o que acarretou no cancelamento de todos os voos nesta terça-feira (13).

O diretor-executivo do Instituto Global Attitude, Rodrigo Reis, lembra que as manifestações começaram há mais de dois meses por conta de um projeto polêmico que, segundo ele, prejudica os cidadãos locais.

“O que iniciou isso aí, pontualmente, foi a proposta de lei que colocaria os hongkongers, os cidadãos de Hong Kong, em uma possível percepção de ameaça, no qual eles poderiam ser extraditados e julgados na China comunista. Obviamente, desde o retorno do território de Hong Kong do Reino Unido para a China, Hong Kong desfruta de um sistema um tanto quanto diferente do que a China continental”, conta.

Mais cedo, em entrevista concedida na Suíça, a Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, solicitou a investigação sobre a truculência adotada por policiais contra os manifestantes e condenou publicamente “qualquer forma de violência”.
 

Cintia Moreira

Em uma de suas experiências profissionais ganhou um prêmio jornalístico e jura que não tem pautas de preferência. Sua única preferência é que tenham pautas.


Cadastre-se

Em uma postagem publicada nas redes sociais, o presidente americano, Donald Trump, afirmou que a China deslocou tropas para a fronteira com Hong Kong, em reação aos protestos contra o governo local. Imagens de TVs internacionais confirmam a informação.

A medida foi adotada por Pequim depois que o aeroporto de Hong Kong foi palco de protestos e confusão entre manifestantes e policiais, o que acarretou no cancelamento de todos os voos nesta terça-feira (13).

O diretor-executivo do Instituto Global Attitude, Rodrigo Reis, lembra que as manifestações começaram há mais de dois meses por conta de um projeto polêmico que, segundo ele, prejudica os cidadãos locais.
 

“O que iniciou isso aí, pontualmente, foi a proposta de lei que colocaria os hongkongers, os cidadãos de Hong Kong, em uma possível percepção de ameaça, no qual eles poderiam ser extraditados e julgados na China comunista. Obviamente, desde o retorno do território de Hong Kong do Reino Unido para a China, Hong Kong desfruta de um sistema um tanto quanto diferente do que a China continental”.

Mais cedo, em entrevista concedida na Suíça, a Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, solicitou a investigação sobre a truculência adotada por policiais contra os manifestantes e condenou publicamente “qualquer forma de violência”.

Reportagem, Cintia Moreira