Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pela Agência do Rádio Mais só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pela Agência do Rádio Mais só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pela Agência do Rádio Mais só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

Declaro que li e aceito os Termos de Uso.
Foto: EBC

TSE arquiva investigação de crime eleitoral contra Haddad

Abertura da ação havia sido protocolada em 2018 pelo então candidato a deputado federal Kim Kataguiri

Salvar imagemTexto para rádio

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu, nesta quinta-feira (9), arquivar uma ação de investigação judicial eleitoral contra o ex-candidato à Presidência da República, Fernando Haddad.

A ação foi protocolada no ano passado pelo então candidato a deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP). Segundo ele, Haddad era suspeito de praticar caixa 2 e não teria declarado o pagamento de um milhão e duzentos mil reais na contratação de uma empresa de pesquisas.

Segundo o relator do caso no TSE, ministro Jorge Mussi, o gasto do candidato do PT foi realmente declarado. A partir desse entendimento, os demais magistrados seguiram o voto do relator.

 

Continue Lendo

Receba nossos conteúdos em primeira mão.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu, nesta quinta-feira (9), arquivar uma ação de investigação judicial eleitoral contra o ex-candidato à Presidência da República, Fernando Haddad.

A ação foi protocolada no ano passado pelo então candidato a deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP). Segundo ele, Haddad era suspeito de praticar caixa 2 e não teria declarado o pagamento de um milhão e duzentos mil reais na contratação de uma empresa de pesquisas.

Segundo o relator do caso no TSE, ministro Jorge Mussi, o gasto do candidato do PT foi realmente declarado. A partir desse entendimento, os demais magistrados seguiram o voto do relator.

Reportagem, Cintia Moreira